Secretários da CONAFER prestigiam III Festival Kuikuro de Cultura no Alto Xingu

O texto a seguir é uma compilação dos relatórios de viagem de três secretários e um assessor jurídico que participaram do evento III Festival Kuikuro de Cultura em nome da CONAFER. São eles: Akim PC Arariboia, Secretário Nacional de Políticas e Desenvolvimento dos Povos e Comunidades Kilombolas; Alessandro Santos da Cruz, Secretário Nacional de Políticas, Estratégias e Línguas dos Povos Originários; Amarildo Arakury dos Santos Sales, Secretário Nacional de Assuntos Indígenas; Weberte Barros Rezende Carvalho, Assessor Jurídico da Presidência da CONAFER.

 

O início da viagem

No dia 31 de outubro os quatro representantes da CONAFER saíram de Brasília para começar a inesquecível viagem de encontro aos parentes Kuikuro no Alto Xingu (MT), com o objetivo de prestigiar o III Festival Kuikuro de Cultura que a CONAFER ajudou a realizar.

Essa aproximação começa a partir do grande guerreiro Jair Kuikuro, que em maio é convidado junto com seu pai, o Pajé da aldeia, a participar do Encontro de Pajés na Aldeia Baixo Alegre no Território Indígena Catarina Caramuru Paraguassu em Pau-Brasil na Bahia. Nesse encontro Jair se aproxima dos parentes Pataxó e Pataxó HãHãHãe e também da CONAFER. Vendo o belo trabalho da Confederação junto aos parentes, Jair faz um convite oficial para que a entidade venha se somar à realização do Festival em sua aldeia.

Como um dos maiores princípios norteadores da CONAFER é lutar pelos povos originários de nosso país, aceita prontamente o convite. A missão nesse evento foi conhecer a cultura e a forma de viver dos parentes Kuikuro para entender como estreitar a relação CONAFER/Kuikuros/Pataxós e apoiar os irmãos Xinguanos em sua luta por autonomia, valorização cultural, resistência às influências do “homem branco” e melhores condições de vida em seu território.

Com as bolsas carregadas de presentes, colares, cocares e artesanatos a serem entregues pro Cacique, Pajé e aos mais velhos da comunidade, os guerreiros da CONAFER saíram da cidade de Canarana em primeiro de Novembro, Dia de Todos os Santos, para enfrentar a chuva e os 300km até a Aldeia Kuikuro. Já na beira da floresta, passaram a noite em uma pousada do IBAMA e descansaram bem para as atividades do dia seguinte.

 

O Parque do Xingu e a Associação Terra Indígena Xingu

Muitos não conhecem, ou pouco ouviram falar, sobre o Parque Indígena do Xingu e os parentes que lá vivem. A diversidade de nações é muito grande, ao todo são 16 que convivem no território do tamanho do estado de Sergipe, com 2,6 milhões de hectares: Aweti, Ikpeng, Kaiabi, Kalapalo, Kamaiurá, Kĩsêdjê, Kuikuro, Matipu, Mehinako, Nahukuá, Naruvotu, Wauja, Tapayuna, Trumai, Yudja e Yawalapiti. O Parque Indígena do Xingu é considerada a maior Reserva Indígena do gênero no Mundo e é o segundo maior Parque Nacional do país, localizado em uma zona de transição do Cerrado para a Amazônia.

A criação do Parque resultou de um longo processo de luta entre instituições do Estado brasileiro e setores da sociedade civil envolvendo o controle territorial e/ou privatização de terras. Sua superfície corresponde a uma pequena parcela da vasta região onde se encontrava presente, já no início do século XX, uma variedade significativa de etnias indígenas localizadas na bacia do Rio Xingu no Mato Grosso.

O Parque do Xingu está localizado no estado que é um dos maiores produtores de grãos e de gado do Brasil (para ter uma ideia, São Félix do Xingu, município localizado no final do Parque do Xingu, possui o maior rebanho de gado do Brasil, com mais de 2.200 milhões de cabeças). É gigantesca a pressão econômica que há na região para aumentar a área de plantio de soja e pastagem para dentro dos limites do Parque, visto que essa área de floresta é considerada por muitos “caraíbas” como área de mato, que não se produz nada. Essa é a realidade que Associação Terra Indígena Xingu, junto com outras ONG’s e entidades da região, se deparam no dia-a-dia para proteção do Parque e das etnias que lá habitam. Essa Associação que atua na área tem como objetivo a proteção do Parque do Xingu e seu trabalho é de extrema importância pois bate de frente com madeireiros, grileiros, garimpeiros, caçadores e latifundiários que buscam implantar monoculturas invasivas no território. Ela precisa ser fortalecida pela sociedade e entidades governamentais, pois serve como escudo entre o retrocesso assassino do “homem branco” e os mais de 5.000 indígenas que seguem existindo ali em comunhão com a natureza.

Desde a sua fundação, em 1964, a Associação fiscaliza a fronteira do Parque Indígena do Xingu e ajuda no transporte, saúde e educação, além de buscar gerar alternativas econômicas para as comunidades, como por exemplo a venda de artesanatos das etnias, a certificação e comercialização do Mel do Xingu e outras iniciativas praticadas por meio de suas ações com foco na valorização cultural dos povos Xinguanos.  Para além dessa Associação, cada nação tem uma organização interna própria e autônoma, entre os Kuikuro é a Associação Indígena Kuikuro do Alto Xingu.

No contexto territorial há forte controle e fiscalização pelo IBAMA e pela Associação, tentando preservar a área intacta. Por outro lado, fazendeiros e indígenas disputam espaços em conflitos muitas vezes sangrentos. Os latifundiários querem desmatamento, plantio de monoculturas e exploração predatório enquanto os parentes buscam apenas a preservação de sua vida, cultura, autonomia e sustentabilidade.

A consolidação de Mato Grosso como grande produtor de grãos e, mais recentemente integrado à política de incentivos a produção de biocombustíveis insere a problemática das terras indígenas sobre uma nova geopolítica. A pressão sobre o uso produtivo agrícola sob um modelo tecnológico-exportador insere as terras indígenas no arranjo espacial articulado ao sistema urbano nacional, continental e global. No caso do Parque do Xingu existe uma constelação de cidades e sedes municipais que ao longo dos últimos 30 anos se consolidaram como lócus das decisões políticas e econômicas de ação sobre a instância local da produção, fazendo com que os indígenas percam cada vez mais batalhas frente a essa grande ameaça.

Nessa realidade muitos parentes do Xingu saem do território para viver na cidade de Canarana, articulando estratégias e políticas para frear o avanço conservador e destruidor e trazer benefícios aos indígenas do Parque. Com muita luta, os indígenas conseguiram integrar a FUNAI, SESAI, órgãos de Educação, Preservação e Fiscalização do Meio Ambiente e seguem resistindo.

 

A Aldeia Kuikuro

O feriado do Dia de Finados começava e nossos guerreiros chegavam na Aldeia Kuikuro, a 6km do Rio Xingu, junto com os primeiros raios do sol. Pouco a pouco iam assimilando o local, as pessoas e a cultura e percebendo semelhanças e diferenças com outros lugares já visitados.

A primeira coisa que chamou a atenção de todos foi a grande oca em que ficaram. Na tradição Kuikuro, todas as ocas são construções gigantescas, muitas beirando os 30 metros de comprimento, muito maiores que as cabanas Pataxó. Segundo o Cacique Afucacá, a cobertura é de sapé. “Em época de chuva, não chove. No calor, fica bem fresquinho dentro”, ensinou. O interior das ocas é bem escuro pois não há janelas, as únicas aberturas são duas portas, uma à frente e outra nos fundos. Cada oca é habitada pela linhagem completa de uma família, com avós, filhos e netos convivendo junto no mesmo espaço. A divisão do espaço é muito simples: nas laterais são armadas redes de dormir e no centro fica a cozinha e a área comum. 

No decorrer das conversas com o Cacique Afucacá, os representantes da CONAFER iam se preparando pro ritual à medida que iam conhecendo o contexto da aldeia e dos parentes Kuikuro. Entenderam que a harmonia com a natureza é intrínseco à cultura deles e que a vida animal e vegetal, os minerais e os espíritos são sagrados a todos os Kuikuro. Eles vivem de forma autônoma, sem precisar do dinheiro dos “caraíbas” no dia-a-dia, mas confeccionam artesanatos que ajudam a garantir a sustentabilidade quando saem da aldeia.

O Cacique defende que sua maior função é lutar para não deixar morrer a cultura dos Kuikuros, que tem muitas peculiaridades, como o fato do homem ter que sair de casa ao casar ou a proibição irrestrita de bebidas alcoólicas e cigarros de qualquer espécie.

Na aldeia se fala uma língua da família Karíb, herança da época em que seus antecedentes viviam nas fronteiras do Brasil com a Venezuela e Guiana, porém no Parque como um todo são várias: Kamaiurá e Kaiabi (família Tupi-Guarani, tronco Tupí); Yudja (família Juruna, tronco Tupí); Aweti (família Aweti, tronco Tupi); Mehinako, Wauja e Yawalapiti (família Aruák); Kalapalo, Ikpeng, Kuikuro, Matipu, Nahukwá e Naruvotu (família Karíb); Kĩsêdjê e Tapayuna (família Jê, tronco Macro-Jê); Trumai (língua isolada).

Na Aldeia Kuikuro são mais de 700 índios, a maior e uma das mais antigas tribos do Xingu, cuja migração para a região se deu há mais de mil anos. Na época, eles eram nômades e viviam só do extrativismo. Quando se fixaram no Xingu, os Kuikuros passaram a praticar a agricultura e hoje tem uma alimentação bem variada baseada nos frutos e animais nativos.

Os Kuikuro se alimentam basicamente de peixes de diversas espécies do Rio e beiju, cuja fartura é motivo de orgulho entre os guerreiros da aldeia. Outra grande parte da alimentação e da cultura Kuikuro é o Pequi, cuja árvore possui qualidades ancestrais e estratégicas e sua colheita é celebrada com brincadeiras e muita dança. A fruta é rica em vitamina A e também contém vitaminas C e B, além de proteínas e outros nutrientes. Com sua polpa as mulheres fazem vários pratos. Um deles é a sopa de castanha de pequi, salgada, com pimenta verde, água e castanha cortada em pedacinhos. O plantio da semente da fruta é feito toda vez que nasce um novo indivíduo na aldeia e sempre no meio do mandiocal. Os Kuikuros exploram a roça por três anos e, depois, deixam a área só para a formação do Pequi. Por conta dessa tradição, existem diversas plantações bem antigas na Aldeia. Estima-se que existam cerca de 14 mil pés na região. “É a maior riqueza do Xingu e graças ao manejo dos índios” comenta um dos guerreiros.

 

O Conflito da modernidade com a ancestralidade

Internamente as etnias vivem o confronto com a modernidade tecnológica que apontam mercadorias e novos meios técnico-científicos, sobre seus espaços e territórios. Tal pode ser percebido nas crescentes formas de conflitos de geração envolvendo os jovens e as lideranças, normalmente representados por homens mais velhos e testemunhos da história dos últimos 60 anos do Alto Xingu.

A cidade e o urbano estão cada vez mais presentes e mais próximos dentro das aldeias, participando do cotidiano de todos. Contudo na Aldeia Kuikuro é possível perceber que existe em sua essência um propósito de manter as raízes para levar os conhecimentos dos mais velhos aos jovens. Para isso, fazem questão de frisar a importância de dar continuidade às práticas tradicionais e ensinar formas de se viver sem depender dos brancos e suas vivências urbanas.

Um outro dado a ser considerado é a estrutura institucional sobre a qual as terras Indígenas estão vinculadas. A FUNAI hoje é um órgão enfraquecido politicamente, sucateado e sem a quantidade de funcionários suficiente devido a falta de verbas destinadas aos novos projetos, atualização e qualificação do quadro funcional, políticas sociais, dentre outras, se comparado, por exemplo, ao IBAMA, que pode-se dizer que é a parte rica dentre os autores que são detentores de competência em atuar na fauna e flora. Torna-se, assim importante constatar a importância de uma política de ações sobre a inserção e a vivência dos grupos indígenas diante do novo modelo da sociedade já  pautada pela atuação do Brasil na economia global e da região cada vez mais urbanizada. Sendo assim, devemos lutar para que a preservação seja feita por aqueles que ali habitam há séculos, sem perder a competência dos órgãos titulares de exercer suas atribuições demandadas pelos órgãos públicos.

Embora esta seja uma primeira aproximação sobre a temática, pretende-se futuramente analisar a presença do urbano dentro ou nas circunvizinhanças dos territórios indígenas, numa perspectiva de análise diferente das pesquisas daquelas que enfatizam a problemática urbana a partir da localização dos índios na cidade. Neste caso há de se reconhecer a importância da luta para se fazer valer os direitos constitucionais que mantém os indígenas protegidos por leis específicas pelas instituições públicas, diferenciando-se e construindo uma política de ação a partir de abordagens que privilegiem a preservação da cultura consolidada no tempo e na geografia de vivência dos povos do Alto Xingu. A constituição federal de 1988 garantiu aos povos indígenas o direito a uma política educacional específica, regulamentada em torno de atributos como o uso da língua materna e a construção de currículos adaptados à tradição dos povos indígenas.

Graças à resistência contra a influência da sociedade branca em sua cultura, os Kuikuro hoje preservam muito bem sua história e suas práticas, tendo como pilar formador os anciãos da aldeia, que detém grande respeito dos líderes e das crianças. “Pra fora da Aldeia, o mundo está caótico e perdido, mas aqui dentro nossa tradição se mantém viva e forte”, ressalta o Cacique em uma de suas falas.

O Secretário Alessandro sintetizou os Kuikuro em uma frase muito simbólica: “Eles estão entre um mundo distinto só deles e o universo comum da sociedade”, e continua fazendo a relação dos Kuikuro com os Pataxó: “Na nossa aldeia, resistir às diversas influências do homem branco é muito difícil, pois o contato é muito mais próximo do que o povo que vive no meio da floresta bruta, lutamos forte para manter nossa cultura apesar dos “homens brancos” da nossa região. Admirei o jeito que os Kuikuro lidam com essa questão. Passamos a respeitar o diferente quando o conhecemos de perto.”

 

O Festival

O III Festival Kuikuro de Cultura já havia começado no dia anterior à chegada dos representantes da CONAFER na Aldeia, abrindo os trabalhos e pedindo a benção dos Encantados para um bom evento. No segundo dia de atividades, todos os parentes Kuikuro aguardaram a chegada dos nossos guerreiros para dar continuidade aos rituais e celebraram sua chegada com comida, música e dança.

Ao chegarem na Aldeia foram conduzidos até uma grande oca onde o Cacique Afucacá os aguardava para uma conversa inicial. Enquanto andavam, puderam ver diversas mulheres reunidas no centro da Aldeia entoando uma canção belíssima aos ouvidos, que trazia a energia da esperança e dos bons ventos. Alguns homens estavam ao redor das mulheres, mas a grande maioria ainda estava em suas cabanas se preparando, pintando o corpo e limpando a mente para os rituais do dia.

Momentos como esse Festival é necessário uma boa organização e uma das maiores dificuldades é evitar alimentar os espíritos com coisas externas à cultura deles. “Vivemos de roupas como vocês, mas quando temos rituais todos ficam nus”, disse o Pajé, em conversa com ele e o Cacique, eles falavam da força espiritual que os Kuikuro tem e que os jovens precisam aprender.

Depois de tomarem banho e se pintarem também, os representantes da CONAFER foram participar do ritual. Ao saírem para o centro da Aldeia, todos os mais de 700 homens, mulheres e crianças Kuikuros estavam lá esperando por eles para iniciar o ritual. Pela cultura da Aldeia, não podia faltar comida durante essa celebração, por isso diversas mesas com peixes, beiju e frutas estavam dispostas. Existia um grande respeito de todos em cada uma das ações, pois entendiam a força gigantesca daquele encontro, que precede e serve como preparação para o Quarup, grande ritual ancestral do Xingu.

Foram três rituais que aconteceram durante o dia de celebrações do povo Kuikuro. O primeiro deles foi o Ritual do Peixe, onde primeiramente as mulheres, e depois todos da Aldeia, cantam e dançam para agradecer a fartura dos rios e do alimento que eles lhe provém. Eles celebram os Encantados das águas e pedem bênçãos para o próximo ano de um jeito encantador de ficar maravilhado.   

 

Alessandro e Amarildo que são da etnia Pataxó explicaram que existe uma diferença enorme entre a cultura deles, que apesar de dançarem e cantarem aos Encantados também, são músicas, entonações, passos e ritmos completamente diferentes, de acordo com a tradição do povo do Xingu.  

O próximo ritual era de Passagem dos Espíritos, cuja premissa era homenagear uma anciã da Aldeia que havia falecido e também ajudar um outro ancião que estava doente, pois acreditam que as doenças são manifestações de espíritos ruins que devem ser mandados embora e espíritos bons serem chamados para ficar no lugar. Nesse ritual as mulheres não podiam participar, nem ver, apenas ouvir de longe. Os homens buscam três instrumentos musicais ancestrais guardados em uma cabana específica para isso onde as mulheres também não podem entrar, são as “gaitas”, flautas artesanais grandes com um som muito calmo e envolvente.

Fotos e filmagens eram proibidas durante o Ritual de Passagem dos Espíritos, pois a recomendação era que usassem todo o tempo e foco para prestar atenção no som que saia das gaitas. Os homens tocavam e dançavam enquanto se dirigiam à casa do parente doente. Lá dentro eles o abençoam com rezas e ervas para que o espírito da doença vá embora dali.

O terceiro e último ritual dessa vez começa só com as mulheres, os homens não podem participar. Elas cantaram e dançaram por muito tempo, pedindo a bênção de suas protetoras, da natureza e de suas ancestrais. A força que emanava desse ritual era quase palpável. Havia uma energia feminina que conectava ar e terra em uma comunhão de cores, ritmo e sons.

Depois de finalizados os rituais, os jovens homens da aldeia pegaram um balde com água e todos enchiam a boca e saíram apagando as fogueiras de toda a Aldeia, jogando o líquido na brasa com a boca, e assim apagaram desde a chama central até a luz de cada uma das ocas e a Aldeia foi descansar.

CONAFER e os Kuikuros

Nesse encontro fortalecemos a parceria com os parentes do Xingu, cuja receptividade passada por todos que compõe a tribo foi admirável. O Cacique Afucacá Kuikuro fez seus encaminhamentos ao presidente da CONAFER, Carlos Lopes, e pediu parceria institucional para poder obter agendas dentre os órgãos de representatividade voltada aos indígenas, como a FUNAI, FUNASA, SESAI, Ministério da Justiça, entre outros, e também tratar de infraestrutura e melhorias para a Aldeia, buscando realizar projetos nas áreas da saúde, educação, transporte, esporte e lazer, temas negligenciados em boa parte do Xingu.

O fato da CONAFER ter se deslocado com seu grupo de representantes em suas diversas funções, segundo o Cacique, foi de grande importância para que se tenha uma agenda de discussões em conjunto, e desta forma exista a possibilidade de buscar determinados projetos que possam vir a serem desenvolvidos em comum acordo aos povos originários do Brasil, e em especialmente os Kuikuros.

O povo da Aldeia conhecia todos os cantos Tupinambá, cultivados desde cedo na sua identidade étnica, e exteriorizaram a vontade do intercâmbio. Também foi  dada assistência jurídica para alguns temas como: Pista de pouso e mudança de território, demonstraram muita alegria com a nova aldeia que estão montando. Por fim, comentaram sobre o sonho de construir um museu indígena em Canarana em parceria com a CONAFER.

A missão foi realizada com  sucesso, estreitamos nossos laços com o povo Kuikuro do Xingu e ajudaremos no fortalecimento de sua cultura e resistência.

“Para mim, como indígena da etnia Pataxó, essa viagem trouxe grandes aprendizados individuais, além de mudanças significativas na percepção da dinâmica da vida dos povos indígenas. Sabemos que o tempo do homem branco não é o tempo dos indígenas. O nosso tempo é um tempo onde se compartilha, se colabora e se respeita a dinâmica que ser vivo tem em se relacionar com o meio que está inserido. Nessa perspectiva devemos olhar para dentro e entender a diversidade de cada povo sempre olhando o que de melhor podemos contribuir para as futuras gerações.” Alessandro Pataxó

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *