Redução drástica no número de insetos no mundo gera risco de ‘colapso’ da natureza

FONTE: O Globo

Taxa de queda na população total desses bichinhos é oito vezes maior do que a de mamíferos

Somente na Inglaterra, por exemplo, o número de borboletas diminuiu 58% em terras cultivadas entre 2000 e 2009 Foto: Divulgação

Somente na Inglaterra, por exemplo, o número de borboletas diminuiu 58% em terras cultivadas entre 2000 e 2009

 

Os pesquisadores destacam que a taxa de extinção dos insetos é oito vezes mais rápida que a de mamíferos, aves e répteis. Mais de 40% das espécies de insetos estão em declínio e um terço está ameaçado, segundo a análise.

A análise, publicada na revista “Biological Conservation”, diz que a agricultura intensiva é o principal motor dos declínios, particularmente o uso pesado de pesticidas. A urbanização e as mudanças climáticas também são fatores significativos.

“A menos que mudemos nossas formas de produzir alimentos, os insetos como um todo irão percorrer o caminho da extinção em algumas décadas”, escrevem os epsquisadores no artigo. “As repercussões que isso terá para os ecossistemas do planeta são catastróficas para dizer o mínimo”.

Os estudiosos salientam que o planeta está no início do que chama da sexta extinção em massa em sua História, com enormes perdas já relatadas na população de animais maiores, mais fáceis de estudar. Mas os insetos são, de longe, os mais variados e abundantes animais.

Os insetos são “essenciais” para o funcionamento adequado de todos os ecossistemas, como alimento para outras criaturas, polinizadores e recicladores de nutrientes.

Colapsos de população de insetos foram recentemente relatados na Alemanha e em Porto Rico, mas a revisão científica indica fortemente que a crise é global.

“Se as perdas de espécies de insetos não puderem ser interrompidas, isso terá consequências catastróficas tanto para os ecossistemas do planeta quanto para a sobrevivência da Humanidade”, disse Francisco Sánchez-Bayo, da Universidade de Sydney, Austrália, que escreveu a análise com Kris Wyckhuys, da Academia de Ciências Agrárias da China, em Pequim.

Sánchez-Bayo classifica como “chocante” a taxa de 2,5% de perda anual nos últimos 25, 30 anos.

“É muito rápido. Em 10 anos você terá um quarto a menos, em 50 anos apenas metade e em 100 anos não terá mais nenhum (inseto)”, lamenta ele.

Borboletas e abelhas estão entre as mais atingidas

A nova análise selecionou os 73 melhores estudos feitos até hoje para avaliar o declínio de insetos. Borboletas estão entre as mais atingidas. Por exemplo, o número de borboletas diminuiu 58% em terras cultivadas na Inglaterra entre 2000 e 2009. O Reino Unido sofreu a maior queda de insetos em geral, embora isso seja provavelmente um resultado de ele ser mais intensamente estudado do que a maioria dos outros lugares.

As abelhas também foram gravemente afetadas. O número de colônias de abelhas nos EUA, por exemplo, era de 6 milhões em 1947, mas 3,5 milhões foram perdidos desde então.

“A principal causa do declínio é a intensificação agrícola”, disse Sánchez-Bayo. “Isso significa a eliminação de todas as árvores e arbustos que normalmente cercam os campos, por isso há campos simples e nus que são tratados com fertilizantes sintéticos e pesticidas”.

Ele disse que o desaparecimento de insetos parece ter começado no início do século XX, e acelerou durante os anos 1950 e 1960, atingindo “proporções alarmantes” nas últimas duas décadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *