A SAGA DO ASSENTAMENTO CASTANHEIRA

da Redação

Novo sindicato nasce com 15 anos de luta de 122 famílias em Flores de Goiás

Em um país tão injusto como o Brasil na divisão de suas riquezas, principalmente do seu território, multiplicam-se histórias de milhões de brasileiros em assentamos e lutas incansáveis por um pedaço de terra. Mais uma razão para reconhecer a vitória dos assentados da Castanheira, depois de 15 anos de incansáveis batalhas pela desapropriação da antiga fazenda, das lonas na beira da estrada até a chegada da energia elétrica.

Quem conta melhor esta história é o líder e testemunha ocular desta verdadeira saga em Flores de Goiás, 437 km da capital goiana, o atual presidente do SAFER de Flores, o companheiro Josias Ribeiro dos Santos. Este homem nascido em Três Fronteiras, interior de São Paulo, hoje perto dos 70 anos de idade, luta desde os 55 pela fixação e estruturação de 122 famílias que hoje vivem no Assentamento Castanheira. Ele relembra que as famílias acamparam às margens da GO 531, no dia 19 de novembro de 2005, e que apesar de líder, não tinha experiência na reforma agrária e nem da vida sob lonas.

“Depois de 9 meses, já em 2006, apesar dos fazendeiros e a polícia pensarem que invadiríamos a fazenda, pudemos sair do corredor, uma zona de perigo próxima da rodovia, para entrar na Castanheira”, relata o Josias. A próxima demanda do Incra foi a conquista das LDs que homologaram 122 famílias. Em 2009, veio o primeiro contrato de concessão de uso, mas o Incra não cortou a terra para os assentados. Josias segue relatando, “então, pagamos uma empresa privada, e nós mesmos cortamos a terra entre as famílias, e preservando toda a área de reserva ambiental. Ficamos ainda 5 anos reivindicando a terra até conseguir aprovar o seu parcelamento. Não havia energia, não havia água, não havia estrada, não havia transporte.”

Josias Ribeiro conta que apesar de todas as dificuldades, tudo era feito com alegria para atender a comunidade de pequenos agricultores. Mesmo sem recursos, foram tratando da terra, fazendo a limpeza dos eixos e cascalhando trechos de estrada que eram abertas. O Josias se emociona ao contar que passou 10 anos da sua vida vivendo sob condições precárias. Agora, com a criação do sindicato em Flores de Goiás, que ele mesmo preside, e o apoio da CONAFER, um novo capítulo será escrito com a sequência do trabalho de organização do Assentamento, projetos de irrigação e energia, e da viabilidade de recursos financeiros que vão garantir um final feliz na história do Castanheira.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *