fbpx

Produção de leite no Brasil tem a energia da agricultura familiar

da Redação

O país é o 3º maior produtor de leite do mundo; 60% da produção vem das propriedades de pequenos produtores

O leite é um alimento fundamental para a saúde em países como o Brasil, que infelizmente ainda esbarram na desigualdade social que retira da mesa de milhões de crianças, adolescentes e adultos, os alimentos mais ricos em nutrientes, proteínas e vitaminas. Por ter um custo mais acessível, o leite é uma opção que tem lugar de destaque na dieta dos brasileiros. 

Conforme a história da civilização humana, há cerca de 10 mil anos o leite não existia no cardápio dos nossos ancestrais. Com a fixação dos primeiros grupamentos de humanos em função do término de um período glacial, vemos o ser humano se fixar pela primeira vez como agricultor. Depois de algum tempo, alguns animais passaram a ser domesticados, entre eles os bovinos. E as vacas passaram então a fornecer o leite, e deste leite, os nutrientes que ajudaram a moldar o novo ser humano que ali nascia. 

Os primeiros humanos a consumir o leite regularmente foram os agricultores e pastores da Europa Ocidental. Hoje, beber leite é uma prática comum no mundo inteiro.
Segundo a Embrapa, o Brasil é o 3º maior produtor de leite do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos e da Índia.

O que impressiona é que 60% desta produção é proveniente da agricultura familiar. Os números expressivos obtidos pelas pequenas propriedades familiares também aparecem no processamento de produtos lácteos, como os queijos artesanais, queijo minas frescal, mussarela, ricota, manteiga, doce de leite e requeijão, e muitos outros derivados conforme a cultura da região produtora. 

Para 1,2 milhão de produtores o leite é o salário do mês. É uma das atividades que mais gera empregos no país, com mais de 4 milhões de brasileiros trabalhando nas indústrias de laticínios e no campo com a produção primária.


O leite se destaca na segurança alimentar da Agenda 2030
da ONU

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a FAO, incentiva as pessoas nos países em desenvolvimento a manterem animais leiteiros, para que possam usufruir dos benefícios. O que a levou a instituir, em 2001, o 1° de junho como Dia Mundial do Leite, data criada para incentivar o consumo de produtos lácteos entre as populações.

Segundo a agência da ONU, o mundo precisa aproveitar melhor o potencial do leite e seus derivados. Para isso, pede que os governos invistam mais em programas focados na sua produção, beneficiando as famílias mais pobres do mundo.

A FAO recomenda a ingestão mínima de 180 litros anuais de leite e derivados por habitante. O brasileiro consome, em média, 172 litros, portanto abaixo do recomendado.

LEIA TAMBÉM:

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Erradicação da Pobreza

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Fome Zero e Agricultura Sustentável

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Saúde e Bem-estar


Benefícios, nutrientes e importância do consumo na vida saudável

O leite é uma das melhores fontes de cálcio disponíveis. Por isso, este alimento é essencial para a saúde dos ossos e dentes e seu consumo previne a osteoporose. Além disso, a bebida pode contribuir para a perda de peso, proporciona bem-estar e ainda previne o diabetes de tipo 2. O alimento também é um aliado de quem pratica exercícios e é especialmente necessário na infância e adolescência. Mas é igualmente importante para a terceira idade.

Foto: Freepik

A bebida possui vitaminas e minerais que nos mantêm ativos e saudáveis, como as vitaminas A, B12 e D, além do cálcio já citado, e de zinco, que garante uma boa visão e o aumento da produção de células vermelhas do sangue. Possui ainda carboidratos, para nossa vitalidade e energia; potássio, que regula as funções nervosas; magnésio, para os músculos; fósforo, para liberação de energia, e proteínas, para a restauração e o crescimento celular.

Por todas estas razões, a FAO destaca que por ser o leite fonte importante de energia, proteínas e gorduras, e rico em micronutrientes importantes para a prevenção à desnutrição, seu consumo torna-se base para uma mudança de paradigma no déficit nutritivo de bilhões de pessoas. 


O PAA, programa criado em 2003 no Fome Zero fortalece agricultura familiar

Foto: Mercado do Cacau

No Brasil pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional, que são beneficiárias de programas sociais do governo, e pessoas privadas de liberdade, poderão receber até 7 litros de leite por semana do Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA, por meio da modalidade de Incentivo à Produção e Consumo de Leite, executado pelos governos estaduais e municipais.

Uma forma de melhorar a alimentação das famílias em situações de vulnerabilidade e insegurança alimentar e nutricional, e fortalecer o setor produtivo local e a agricultura familiar, garantindo a compra do leite dos agricultores familiares. 

A CONAFER apoia e incentiva os mecanismos de compras públicas de leite por intervir na produção e circulação do leite, tornando a atividade mais justa socialmente e estimulando o desenvolvimento da pecuária familiar e alavancando as economias locais.

Capa: Cenário MT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *