da Redação

Programa + Pecuária Brasil lançado pela Confederação em parceria com a gigante da tecnologia em melhoramento genético, tem recebido propostas para adesão de secretarias estaduais da agricultura de todo o país

Menos de uma semana após a CONAFER lançar o +Pecuária Brasil, secretarias estaduais e municipais têm procurado a entidade para fazer parte do programa.
Com ele, os nossos agricultores familiares agropecuaristas vão garantir mais força no rebanho, mais qualidade nos produtos e um lucro muito maior ao longo do tempo.

 

 

Melhorar a qualidade genética é decisivo para ser competitivo no mercado da agropecuária

 

O programa desenvolvido com a Alta Genetics vai entregar 6 mil doses mensais de sêmen para gado de corte e leiteiro, em todos os estados do país.
O objetivo é desenvolver os rebanhos dos nossos agricultores com a mais avançada tecnologia de melhoria genética para uma produção de qualidade superior e com sustentabilidade.

Em um cenário de uso do melhoramento por todos os agricultores, poderíamos ter o dobro de produção em metade das terras ocupadas hoje pela bovinocultura.

O mercado de melhoramento genético no Brasil

Em 10 anos o mercado de melhoramento genético voltado para o gado de corte cresceu 6 vezes mais que o mercado voltado ao gado leiteiro.

O uso do melhoramento genético de bovinos de corte no Brasil cresceu 188% nos últimos dez anos. No primeiro semestre de 2020 foram vendidas 8,9 milhões de doses de sêmen de bovinos de corte, um crescimento de 33% sobre o mesmo período de 2019.

 

 

Hoje 70% dos municípios brasileiros utilizam a tecnologia da inseminação artificial em seu rebanho. A adoção da inseminação artificial em estados onde prevalece a pecuária intensiva, voltada para exportação, é superior à média brasileira.

A maior parte dos estados no Norte e Nordeste têm baixa adoção da tecnologia de melhoramento genético. A concentração de melhoramento genético do gado de corte na região centro-oeste e no estado do Pará, revela o desequilíbrio regional e um subdesenvolvimento do mercado de tecnologia da bovinocultura no país.

O melhoramento genético nos rebanhos leiteiros

O Brasil é o 5º maior produtor de leite do mundo. 80% dos seus municípios tem produção leiteira em 1,3 milhão de propriedades. Uma das características econômicas dessa atividade é o rápido retorno financeiro aos produtores.

Propriedades leiteiras que investem em inseminação artificial podem gerar um lucro 14x maior que propriedades que não investem na tecnologia.

O melhoramento genético é a melhor ferramenta para responder à demanda por melhoria na produção do setor leiteiro. A tecnologia da inseminação artificial atua no aumento de produção de arrobas por hectare, do tamanho da carcaça, mas também atua na ponta importante da redução de custo, na precocidade, na fertilidade, na eficiência alimentar, na resistência às doenças. Em resumo, o melhoramento genético diminui o custo e aumenta a produção.

 

 

  • Acelera o melhoramento genético aumentando a lucratividade da propriedade até 14 vezes.
  • Possibilita o uso de touros provados.
  • Ajuda a evitar consanguinidade.
  • Facilita o cruzamento entre as raças.
  • Permite estocagem e transporte de material genético.
  • Facilita o teste de progênie.
  • Auxilia no controle de DSTs.

A sustentabilidade da inseminação artificial

O melhoramento genético é a melhor ferramenta para responder à demanda por sustentabilidade ambiental. No mais positivo dos cenários, em relação ao desempenho, poderíamos ter o dobro de produção em metade das terras ocupadas hoje pela bovinocultura.

Veja íntegra da comunicação da CONAFER para as secretarias de estado e municípios

Carlos Lopes, presidente da CONAFER, selou acordo de parceria com a diretoria da Alta Genetics

“O grande impacto econômico do melhoramento genético na vida dos agricultores familiares brasileiros, motiva a CONAFER a construir uma relação de negócios e expansão no mercado agropecuário com a Alta Genetics, um player com expertise no gerenciamento genético e reprodutivo de rebanhos, presente em mais de 90 países.
O potencial de crescimento da inseminação no Brasil é vultoso. Hoje, 58% da produção leiteira do país vem dos pequenos produtores. 70% dos municípios usam a tecnologia do melhoramento em seus rebanhos de corte. Temos 36 milhões de agricultores familiares responsáveis por 70% do alimento consumido pelos brasileiros.
São números robustos que aproximam a CONAFER e a Alta Genetics, abrindo uma perspectiva para um expressivo aumento na demanda dos produtos da Alta Genetics em todas as regiões brasileiras, já devidamente levantadas conforme dados e estudo desta Confederação.
A CONAFER se compromete por meio de Acordo de Cooperação Técnica, a entregar um pacote de melhoramento genético com duração de 48 meses, disponibilizando entre 50 e 100 doses mensais por propriedade, incluindo insumos e treinamento qualificado.
Assim, ao firmar este compromisso com a Alta Genetics, a CONAFER assegura aos produtores rurais, um processo de excelência no melhoramento genético dos rebanhos, com o mais elevado padrão de qualidade e uma fértil relação de parceria.”

Matérias relacionadas