Mais um ACT fechado: Roraima prepara-se para receber o +Pecuária Brasil

da Redação

A CONAFER formalizou mais uma importante parceria para implementar o +Pecuária Brasil em todo o país; o Acordo de Cooperação Técnica firmado com o Estado de Roraima abre a possibilidade de levar novos projetos da Confederação aos agricultores familiares roraimenses

Resultado de diversos encontros virtuais e reuniões em que foram apresentados e discutidos os termos do +Pecuária Brasil, o ACT que vai levar o programa de melhoramento genético inédito no segmento agrofamiliar aos agropecuaristas de Roraima, também é reflexo do excelente trabalho da entidade no Estado.

Com representatividade nacional no segmento da agricultura familiar, a CONAFER escolheu Boa Vista, capital de Roraima, ainda no início de 2020 para inaugurar o seu primeiro ESPAÇO CONAFER, atualmente coordenado por Evandro Pereira, o que é uma prova irrefutável do desejo de apoiar todas as iniciativas que desenvolvam socioeconomicamente os produtores agrofamiliares do Estado.

Ao longo deste tempo, foi construída uma relação de trabalho e cooperação com o governo roraimense. E agora, por meio do +Pecuária, cria-se a oportunidade de estender ações e projetos buscando a realização efetiva desta parceria.

Secretário da Seapa, Aluízio Nascimento, em videoconferência com o editor de jornalismo da SECOM, Wilson Ribeiro

O responsável pela Seapa, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Roraima, secretário Aluízio Nascimento, concedeu entrevista ao editor de jornalismo da SECOM, Wilson Ribeiro, quando falou da importância do +Pecuária e da relação de cooperação que se estabeleceu entre Roraima e a CONAFER.

Evandro Pereira, coordenador do ESPAÇO CONAFER Roraima contribui muito com sua equipe na efetivação do +Pecuária Brasil

SECOM:
O senhor tem uma história com a agricultura desde a sua infância até os dias de hoje, e com uma responsabilidade pública, comandando a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Roraima. Como esta experiência ajuda em seu trabalho à frente da Seapa?

Aluízio Nascimento:
Eu sou paranaense de Engenheiro Beltrão, 300 km da capital, e sou agricultor desde sempre, ainda criança fui para o Mato Grosso, e depois para o interior de Minas Gerais, inclusive minha família é mineira. E mais tarde, em outro momento da minha vida, mudei para Roraima. Roraima foi para mim amor à primeira vista. Já tinha vivido no frio do Paraná quando estudei arquitetura na Universidade Católica, em Curitiba. Conhecia muito bem o calor de Cuiabá, cidade onde cursei a faculdade de Engenharia Civil da UFMT. Mas Roraima, além do meu trabalho como empresário, trouxe também a possibilidade de atuar na gestão pública de um Estado que aprendi a amar.

Hoje, tenho a possibilidade de trabalhar por esta população. Já fui diretor do Instituto de Amparo à Ciência, Tecnologia e Inovação em Roraima, e agora na Seapa, estou ajudando a trazer os avanços da ciência no melhoramento genético, da tecnologia em inseminação artificial e da inovação por meio de um programa para os nossos agropecuaristas familiares. Para fazer a diferença na vida deles.

SECOM:
Qual a participação do segmento agropecuarista familiar na economia de Roraima?

Aluízio Nascimento:
Roraima tem uma demanda maior que a oferta na pecuária. Quando o governo atual assumiu a gestão do Estado, iniciou-se um movimento de quebra de paradigmas, pois era necessário evoluir e mudar a matriz econômica de Roraima. Reforçamos o setor primário. Atualmente, dos 30 mil estabelecimentos de agricultura familiar, 16 mil são da agropecuária, praticamente 60%. No setor agropecuário era preciso mudar o rumo da história. Roraima chegou a ter 1 milhão de cabeças de bovinos há 20 anos, hoje tem 900 mil. Rondônia, por exemplo, tinha 600 mil cabeças, e hoje tem 17 milhões.

Para reverter este quadro, precisamos de investimentos em tecnologia, novas plantas de frigroríficos e fomento para a produção. Queremos que todos os nossos agricultores familiares obtenham rentabilidade permanente. Roraima tem uma cultura milenar na pecuária por conta dos nossos povos originários. Com o +Pecuária podemos levar tecnologia e qualidade na produção leiteira dos nossos indígenas, agropecuaristas tradicionais de Roraima.

SECOM:
Como a Seapa está se preparando para implementar o + Pecuária Brasil, e como este programa pode contribuir para alavancar ainda mais o crescimento do Estado?

Aluízio Nascimento:
O plano de trabalho da equipe da Seapa que estará diretamente envolvida com +Pecuária Brasil já está concluído. Temos o mapeamento da região e dos pecuaristas que farão parte do programa. E vamos iniciar, em breve, um treinamento com as equipes da CONAFER e da ALTA GENETICS.

Ao mesmo tempo, também buscamos o envolvimento de outros players, como o setor privado, para ampliar o programa em outras regiões. O +Pecuária faz parte de um grande processo de inovação em todo o nosso setor agrícola.

Nós temos outros projetos importantes, como a piscicultura para ampliar a pesca extrativista e evoluir na aquicultura, pois nós temos mais de 3 mil hectares de lâminas de água. E muitas indígenas do +Pecuária também têm tanques de peixe. Manaus tem o maior consumo per capita de peixe do país. Em 12 horas colocamos o nosso peixe fresquinho na capital amazonense.

Temos o compromisso de desenvolver toda a cadeia produtiva, envolvendo todos os atores do segmento agrofamiliar, integrando as diversas culturas, qualificando a produção e fortalecendo toda a economia de Roraima. Acordos e parcerias como este com a CONAFER e a ALTA GENETICS são fundamentais para vencer este desafio.

O programa +Pecuária Brasil

A CONAFER, em parceria com empresa líder mundial na tecnologia de inseminação artificial, a ALTA GENETICS, desenvolveu o programa + Pecuária Brasil para o desenvolvimento dos rebanhos bovinos de corte e leite dos agropecuaristas familiares brasileiros.
O +Pecuária Brasil é um divisor de águas no campo, e vai contribuir para o crescimento socioeconômico dos pecuaristas do segmento da agricultura familiar. Em parceria com as Secretarias de Agricultura e Agropecuária dos estados, a CONAFER fará a doação de centenas de milhares de doses de sêmens durante os próximos 4 anos em pequenas propriedades em todas as regiões do território nacional.

CONAFER e CICIBAS selam acordo entre Brasil e Arábia Saudita para o setor agrofamiliar

 

 

Das sementes do desenvolvimento plantadas pelas duas nações há uma década no Oriente Médio, nascem os frutos de uma nova história nas relações entre brasileiros e sauditas

Há uma década com o objetivo de estreitar as relações e os negócios entre brasileiros e sauditas, foi criado o CICIBAS, Centro de Investimentos, Comércio e Indústria, Brasil e Arábia Saudita.

Desde que foi criado, a visão do CICIBAS é ser o líder em oportunidades de negócios e investimentos para a República Federativa do Brasil e o Reino da Arábia Saudita. A missão é promover, desenvolver e expandir as relações comerciais entre os dois países, transformando-os em parceiros estratégicos para o século XXI.
Nesta mesma época, há 10 anos, nascia um novo tempo na agricultura familiar brasileira com a CONAFER, a Confederação Nacional dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais.

 

Carlos Lopes, presidente da CONAFER e Anderson Colatto, vice-presidente do CICIBAS, Centro de Investimento, Comércio e Indústria Brasil e Arábia Saudita, acertam detalhes do Acordo de Cooperação Técnica antes da assinatura

A visão da CONAFER é ser referência no desenvolvimento do segmento econômico agrofamiliar responsável por 10% do PIB brasileiro. Sua missão é promover o bem-estar social, o crescimento produtivo e financeiro do segmento agrofamiliar, garantir segurança alimentar e atuar pela sustentabilidade neste novo século.
Agora, as duas entidades celebram um acordo inédito para os dois países por meio de um ACT, Acordo de Cooperação Técnica, nos termos do Acordo Geral de Cooperação firmado entre os governos do Brasil e da Arábia Saudita, assinado em Riad, em 16 de maio de 2009.

O CICIBAS e a CONAFER se unem para plantar e colher juntos um novo campo de atuação nos acordos bilaterais de cooperação técnica, de troca de experiências científicas, de valorização cultural entre os dois povos, de novos investimentos entre dois líderes de diversos segmentos da economia global.

Nos últimos anos, a Arábia Saudita realizou diversas reformas e implementou regulamentações para melhorar o seu ambiente de negócios, já projetando o cenário de 2030. Uma destas ações trata da sua segurança alimentar.

Para Carlos Lopes, presidente da CONAFER, “a dimensão do Acordo com o CICIBAS e as suas demandas, são uma excelente oportunidade de estreitar parcerias com um país líder na região do Oriente Médio, mas que não tem a mesma capacidade de produção de alimentos do Brasil. Pois, 95% de sua área é deserto. Assim, a CONAFER estabelece uma ponte importante entre os dois países, selando um Acordo que abre novas perspectivas para o nosso segmento econômico. A ideia de um mundo global e de novos horizontes de negócios começa a se materializar para nós da agricultura familiar brasileira.”

Ministro da Agricultura da França diz que país não assinará acordo com o Mercosul 'a qualquer preço'

FONTE: G1