A melhor genética do campo chega ao agreste: +Pecuária Brasil no Alagoas

da Redação

Na última quinta, 20 de maio, mais uma conquista do +Pecuária Brasil: Sysley Sampaio, superintendente de Desenvolvimento Agropecuário do Estado, veio até Brasília entregar à presidência da CONAFER, o Acordo de Cooperação Técnica assinado, confirmando assim o sexto Estado brasileiro a aderir ao programa de inseminação artificial com sêmens doados pela Confederação, do catálogo de raças da ALTA BRASIL, representante no país da multinacional ALTA GENETICS

Com quase 28 mil km², o Alagoas tem uma população de 3,3 milhões de pessoas. Ele é o segundo menor estado do Brasil e faz fronteira com o Oceano Atlântico a leste, Sergipe ao sul, Pernambuco ao norte e oeste e Bahia a sudoeste. Sua história está ligada ao processo de colonização brasileira, e sua economia tem o setor terciário como o mais forte. A sua geografia é muito marcante pelo antagonismo entre as características do litoral de Mata Atlântica e o seu interior, marcado pelo bioma da Caatinga, o agreste alagoano.

A principal atividade econômica do agreste seco alagoano é a pecuária extensiva, na parte mais úmida é a agricultura de subsistência e a pecuária leiteira dos nossos agricultores familiares. O litoral tem praias de areia branca repletas de palmeiras, lagoas cristalinas e recifes de corais. Na capital Maceió, localizam-se as famosas praias de Pajuçara e Ponta Verde, com hotéis, bares, restaurantes. Esta força econômica do turismo é fundamental para o PIB alagoano.

No sertão, devido a diminuição das áreas de cana, a bovinocultura ocupou um importante espaço na cadeia produtiva do Estado. Além da pecuária, temos as culturas do abacaxi, do coco, do feijão, do fumo, da mandioca, do algodão, do arroz e do milho. Ainda na pecuária, destacam-se as criações de aves, equinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos.

O rebanho bovino de Alagoas vem se desenvolvendo há algum tempo com base no melhoramento genético. É o 4º estado nordestino em produção de leite, contando com uma produção diária média de até 800 mil litros por dia. Este volume de produção ajuda na subsistência das famílias agropecuaristas familiares, ao mesmo tempo em que abastece as plantas de indústrias de beneficiamento de leite, gerando emprego, renda e um produto de qualidade comprovada, 200 a 300 mil litros são escoados de forma in natura para outros estados nordestinos.

Em relação ao número de propriedades agrofamiliares do Alagoas, temos 82 mil para lavoura, 43 mil para horticultura e 30 mil para pecuária, além de estabelecimentos agrofamiliares voltados à produção florestal, pesca e aquicultura. O total entre rebanho de corte e leite, ultrapassa 1,2 milhão de cabeças.

Agora, com o +Pecuária chegando em território alagoano, temos no horizonte um crescimento do rebanho dos pequenos produtores muito mais vigoroso, com tecnologia de ponta em melhoramento genético, oferecendo aos agricultores familiares mais produtividade e qualidade dos plantéis, e claro, uma grande lucratividade a médio prazo.

Para dar mais detalhes desta parceria entre CONAFER e Alagoas, o editor de jornalismo da SECOM, Wilson Ribeiro, conversou com Sysley Sampaio, superintendente de Desenvolvimento Agropecuário da Seagri, a Secretaria de Estado da Agricultura. Técnico de Agropecuária formado na cidade de Belo Jardim, em Pernambuco, há 23 anos, e advogado pós-graduado em Direito Público pela Cesmac de Alagoas, Sysley Sampaio falou da sua expectativa e do desafio de implantar o +Pecuária Brasil.

No centro da foto, Sysley Sampaio, superintendente de Desenvolvimento Agropecuário da Seagri; à esquerda, Amanda Soares, assessora da presidência da CONAFER, e à direita, Juliana Ribeiro, secretária de Políticas Econômicas e Crédito da Confederação

SECOM:
Qual a expectativa da chegada do +Pecuária Brasil no Alagoas?

Sysley Sampaio:
Em Alagoas, no agreste do sertão, nós temos as características das pequenas propriedades. Muitas famílias com 3, 4 ou 5 vacas, com algumas propriedades com mais de 15 vacas para consumo e comercialização da produção de leite. O melhoramento genético permite uma substituição das matrizes em um espaço médio de tempo. Quando aumentamos a produção e a qualidade, melhoramos as condições de vida, principalmente a capacidade financeira das famílias. Um exemplo é o programa de leite do Estado, que compra a produção das famílias de agricultores para distribuir às famílias de baixa renda.

Portanto, o melhoramento genético possibilita que os pequenos produtores obtenham um grande aumento de renda, além de oferecer mais saúde para a população, com as crianças consumindo nas escolas um alimento rico em cálcio, fósforo, sódio, potássio e vitaminas.

Em Batalha, município do sertão alagoano, eu conheço a história de um agricultor familiar que tinha 8 vacas, e cada uma delas produzia 8 litros de leite por dia. Ele produzia 64 litros, consumia 4 e vendia os 60 restantes. Em 2015, ele começou a inseminar as vacas e substituir as mães pelas filhas. Agora, este agricultor tem 20 animais produzindo 400 litros de leite diariamente. Os filhos deste pequeno pecuarista hoje podem fazer uma faculdade, um deles faz agronomia, o que ajuda na fixação do jovem no campo, evitando o êxodo rural, mais um benefício do melhoramento, além da lucratividade das propriedades.

SECOM:
Quais os objetivos com do projeto no Alagoas e futuros acordos com a CONAFER?

Sysley Sampaio:
O nosso objetivo é contemplar quem tem no máximo 20 animais, então o foco é na produção de leite e também nos lucros das vendas dos bezerros. Vamos envolver 6 cidades inicialmente, estamos finalizando o plano de trabalho para iniciar já no segundo semestre.

Sobre os outros projetos da CONAFER, nós temos o maior interesse em formalizar novas parcerias. Por exemplo, na aquicultura e piscicultura, temos investido muito. Recentemente, distribuímos 1 milhão de alevinos de tilápia. Com a CONAFER, podemos agregar a sua experiência na qualidade da execução de ações sociais.
Esta é a primeira de muitas parcerias para executar daqui para frente. Eu quero agradecer em nome de todo o povo de Alagoas, dos produtores rurais, porque nós temos nos esforçado para fazer a diferença na ponta. E o apoio da CONAFER é muito importante. O +Pecuária é um novo ânimo, um novo gás, com muitos frutos muito para o Estado de Alagoas e toda a sua população. Muito obrigado a todos da CONAFER e ao seu presidente Carlos Lopes pelo empenho nesta luta.

O programa +Pecuária Brasil

A CONAFER, em parceria com empresa líder mundial na tecnologia de inseminação artificial, a ALTA GENETICS, desenvolveu o programa + Pecuária Brasil para o desenvolvimento dos rebanhos bovinos de corte e leite dos agropecuaristas familiares brasileiros.
O +Pecuária Brasil é um divisor de águas no campo, e vai contribuir para o crescimento socioeconômico dos pecuaristas do segmento da agricultura familiar. Em parceria com as Secretarias de Agricultura e Agropecuária dos estados, a CONAFER fará a doação de centenas de milhares de doses de sêmens durante os próximos 4 anos em pequenas propriedades em todas as regiões do território nacional.

Cheia de riacho atinge casas e deixa moradores desabrigados em Santana do Ipanema-AL

FONTE: Rota do Sertão
Riacho Camoxinga transbordou a chamada ponte do Urubu.

Uma enchente do riacho Camoxinga, situado em Santana do Ipanema, município do Médio Sertão de Alagoas, deixou vários moradores desabrigados na noite desta quarta-feira (25).

Corpo de Bombeiros e equipes da Prefeitura ainda estão apurando a quantidade de cidadãos atingidos, e ainda há não informações oficiais de pessoas desaparecidas, feridas ou mortas.

De acordo com dados apurados pela reportagem, a cheia foi fruto de fortes chuvas na cabeceira do riacho, localizado na zona rural do município.

Residências nas localidades conhecidas como Baraúna, Artur Moraes e adjacências foram atingidas pela enxurrada. Há casas em que a marca de água atingiu mais de 2 metros de altura.

A moradora identificada como Madalena conversou com nossa reportagem e relatou que tudo aconteceu muito rápido e por isso só deu tempo de correr, sem levar nada de casa.

“Quando uma pessoa me avisou fora de casa, fui pra cozinha e a água já chegou de vez. Só puxei meu neto, chamei meu marido e corremos pra fora”, relatou a moradora sertaneja.

A onda de água mais forte durou entre meia e uma hora, e depois o nível foi baixando, até que o cenário que restou foi de muita lama dentro e fora das residências.

Barragem não rompeu

Durante todo o início desse episódio, inúmeras mensagens falsas inundaram as redes sociais. A que mais circulou foi que essa enchente foi fruto do rompimento de uma barragem.

A reportagem conversou com o oficial de Justiça, Ernande, que possui uma barragem no riacho Camoxinga e afirmou que ela está intacta. “Poucas horas antes de acontecer essa enxurrada, eu estava na barragem, presenciei muita chuva, algo que nunca que tinha visto. Mesmo assim não teve estouro nenhum”, explicou o proprietário.

Ernande ainda reforçou. “Eu tenho certeza que, se a minha barragem estourasse 10 vezes, não fazia o volume de água que a chuva teve aqui”, enfatizou.

Pontos de apoio

A reportagem do site também conversou com um dos representantes da Defesa Civil do município, que informou os pontos de apoio onde estão levando e orientando os desabrigados.

Estão sendo usados os prédios do Centro Bíblico e Escola São Cristóvão, ambos localizados próximo ao Estádio Arnon de Melo, além da Uneal, situado às margens da BR 316. Entidades como o Lions estão usando as redes sociais para receber doações.

Morador carrega pertences em meio a enchente

Ruas ficaram enlameadas após a passagem da enxurrada

Criança ainda conseguiu salvar filhotes de cachorro

Safer de Santana do Ipanema-AL toma medidas contra a enchente

da Redação
No estado do Alagoas o estouro da barragem de Venturosa, a mais 150km de Santana do Ipanema, tem causado uma série de transtornos na cidade, dificultando a vida da população, incluindo muitos dos seus pequenos agricultores. Depois da chegada de um imenso volume de água em Santana do Ipanema e de muita chuva causando uma grande enchente, o Secretário Jurídico nacional da CONAFER, Werberte Carvalho, juntamente com o presidente Santiago Nobre Souza da SAFER da cidade, informa que a entidade está prestando toda solidariedade, colocando-se à disposição dos nossos associados através do telefone 82 981808610. Uma das medidas é o encaminhamento de ofícios aos órgãos federais reivindicando apoio às famílias atingidas.
Veja vídeos abaixo