EM AGUDOS-SP, HOMOLOGAÇÃO DA MARACY II É SEMENTE DE UM FUTURO PARA DEZENAS DE FAMÍLIAS

da Redação
 
Mesmo ainda na condição de PA (Pré-Assentamento), 43 famílias de agricultores não estão de braços cruzados esperando que as terras da Maracy II sejam homologadas.

Muito pelo contrário, de posse da DAP, plantios de diversas culturas proliferam e já dão os frutos de um trabalho que traz muito orgulho para todos. São plantações de mandioca, milho, pomares, criação de animais, hortas de diversos tipos e muita produção orgânica. E tudo sem recursos, pois o PA e a CONAFER ainda trabalham pela sua regularização.

Para que esta semente se frutifique em um futuro de prosperidade para a Maracy II,  transformando-se em Assentamento, é fundamental que a Prefeitura e a Câmara Municipal de Agudos apoiem a sua homologação urgente, para que os nossos futuros assentados possam captar recursos e planejar uma agricultura ainda mais produtiva e diversificada.

O SAFER de Agudos não tem medido esforços para atingir em breve este objetivo. Estamos unidos e empenhados nesta luta de todos os nossos companheiros  da Maracy II.
 

AGRICULTURA FORTE É A QUE SE FAZ PELAS PRÓPRIAS MÃOS

da Redação
No Paraná, a primeira obtenção direta de terras pela CONAFER. Mais uma vitória da agricultura familiar na luta pela Reforma Agrária em nosso país

Se a Reforma Agrária caminha a passos lentos no Brasil, não é por isso que os agricultores familiares vão ficar à mercê do destino e das barreiras políticas que se erguem contra os camponeses, indígenas, quilombolas, pescadores, ribeirinhos, assentados, acampados, extrativistas e os excluídos de tudo. A CONAFER trabalha para romper esta barreira da dependência do Estado nas questões agrárias. A entidade permanece com as demandas junto aos governos, pois o direito à terra é garantido pela Constituição e uma necessidade urgente para milhões de brasileiros. Mas simultaneamente e de forma organizada, vamos também atuar diretamente na aquisição de terras para acelerar o processo da reforma que o país precisa. O desafio é imenso, mas a CONAFER já dá alguns passos em favor desta causa fundamental. A entidade tem sido protagonista nesta iniciativa, por isso, assume novas responsabilidades e busca sempre a autonomia para ajudar na eliminação da desigualdade no campo.

EM PARANACITY, A CONAFER ADQUIRE 92 ALQUEIRES DE TERRAS PARA 60 FAMÍLIAS

Como explicou um dos representantes da CONAFER no Paraná, Reginaldo Pereira, o Peba, foram adquiridos 92 alqueires de uma fazenda em Paranacity, 514km da capital Curitiba, onde 60 famílias de agricultores vão ter o seu pedaço de terra para produzir e viver do trabalho da agricultura orgânica. A área de reserva ambiental é de 2 alqueires. No assentamento, as famílias terão todo o apoio técnico da CONAFER para desenvolver suas culturas, além da assessoria jurídica, facilidade de crédito e os programas que a CONAFER promove pela agricultura sustentável.

Este é apenas o início de uma grande transformação no campo, em que os próprios agricultores por meio da CONAFER assumem as rédeas do seu futuro, independente das políticas públicas que violam os direitos dos camponeses e dificultam o acesso à terra.

A SAGA DO ASSENTAMENTO CASTANHEIRA

da Redação
Novo sindicato nasce com 15 anos de luta de 122 famílias em Flores de Goiás

Em um país tão injusto como o Brasil na divisão de suas riquezas, principalmente do seu território, multiplicam-se histórias de milhões de brasileiros em assentamentos e lutas incansáveis por um pedaço de terra. Mais uma razão para reconhecer a vitória dos assentados da Castanheira, depois de 15 anos de incansáveis batalhas pela desapropriação da antiga fazenda, das lonas na beira da estrada até a chegada da energia elétrica.
Quem conta melhor esta história é o líder e testemunha ocular desta verdadeira saga em Flores de Goiás, 437 km da capital goiana, o atual presidente do SAFER de Flores, o companheiro Josias Ribeiro dos Santos. Este homem nascido em Três Fronteiras, interior de São Paulo, hoje perto dos 70 anos de idade, luta desde os 55 pela fixação e estruturação de 122 famílias que hoje vivem no Assentamento Castanheira. Ele relembra que as famílias acamparam às margens da GO 531, no dia 19 de novembro de 2005, e que apesar de líder, não tinha experiência na reforma agrária e nem da vida sob lonas.
“Depois de 9 meses, já em 2006, apesar dos fazendeiros e a polícia pensarem que invadiríamos a fazenda, pudemos sair do corredor, uma zona de perigo próxima da rodovia, para entrar na Castanheira”, relata o Josias. A próxima demanda do Incra foi a conquista das LDs que homologaram 122 famílias. Em 2009, veio o primeiro contrato de concessão de uso, mas o Incra não cortou a terra para os assentados. Josias segue relatando, “então, pagamos uma empresa privada, e nós mesmos cortamos a terra entre as famílias, e preservando toda a área de reserva ambiental. Ficamos ainda 5 anos reivindicando a terra até conseguir aprovar o seu parcelamento. Não havia energia, não havia água, não havia estrada, não havia transporte.”
Josias Ribeiro conta que apesar de todas as dificuldades, tudo era feito com alegria para atender a comunidade de pequenos agricultores. Mesmo sem recursos, foram tratando da terra, fazendo a limpeza dos eixos e cascalhando trechos de estrada que eram abertas. O Josias se emociona ao contar que passou 10 anos da sua vida vivendo sob condições precárias. Agora, com a criação do sindicato em Flores de Goiás, que ele mesmo preside, e o apoio da CONAFER, um novo capítulo será escrito com a sequência do trabalho de organização do Assentamento, projetos de irrigação e energia, e da viabilidade de recursos financeiros que vão garantir um final feliz na história do Castanheira.

Marx Beltrão garante incremento na agricultura familiar com apoio a assentamentos rurais

FONTE: Cada Minuto
O deputado federal Marx Beltrão tem garantido o incremento na agricultura familiar de Alagoas com apoio a assentamentos rurais no estado. Exemplo deste apoio ocorreu na quarta-feira (26), quando 75 famílias do assentamento Conceição, em Porto Calvo, receberam a titulação definitiva da posse de suas terras.
O documento entregue aos assentados foi o Título de Domínio, que é o instrumento que transfere o imóvel rural ao beneficiário da reforma agrária em caráter definitivo.
“Este apoio mostra nosso respeito ao homem do campo, ao agricultor, assim como mostra nosso trabalho em busca de uma reforma agrária justa, organizada e que beneficie de fato os trabalhadores. Com a entrega desta titulação, estes trabalhadores deixam de ser assentados para se tornarem, de fato e de direito, produtores rurais. Com certeza é uma grande conquista não somente para estas famílias, como para nossa agricultura” afirmou Marx Beltrão.
O Título de Domínio das famílias foi entregue aos assentados pelo superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Alagoas, Cesar Lira. O superintendente falou sobre a importância desta entrega e sobre a meta do órgão em ampliar os benefícios aos assentados.
“Temos 230 famílias neste que é um dos maiores assentamentos de Alagoas. Hoje foram 75 títulos e queremos chegar a 140 titulações. Alagoas hoje é um diferencial positivo no cenário da reforma agrária nacional”, afirmou Cesar Lira.
Créditos para Assentados
Além da entrega dos Títulos de Domínios, o deputado federal Marx Beltrão também ressaltou os investimentos financeiros feitos no assentamento.
“Conseguimos por meio do Incra a liberação de R$ 1 milhão e 93 mil reais em recursos para estas famílias. Assentar é importante, mas é essencial dotar esta gente de meios financeiros para tocarem sua produção rural. Este é um trabalho de cunho econômico, mas também de grande apelo social” alertou Beltrão.
O superintendente Cesar Lira também disse que “estes recurso beneficiaram famílias assentadas oriundas de municípios da região norte como Porto Calvo, Jundiá, Jacuípe, Matriz do Camaragibe e São Luiz do Quitunde. Neste sentido, o apoio do deputado Marx foi vital, porque o empenho do deputado em Brasília nos garantiu condições para o alcance destes resultados em Alagoas”, concluiu o superintendente.