Encontro de ancestralidades marca relação de parceria entre CONAFER e povo Xukuru

No final de 2020, a Associação de Pesqueira, a 215 km da capital de Pernambuco, cadastrou mais de 4 mil novos agricultores no Sistema Único CONAFER. Esta performance rendeu um carro como premiação, entregue oficialmente ontem, em Brasília, pelo vice-presidente, Tiago Lopes, ao secretário indígena, Júnior Xukuru

A CONAFER, por conta de sua variabilidade, sempre presente nas palavras do presidente Carlos Lopes, busca a evolução permanente em suas relações, e tem em suas origens e no seu DNA organizacional, grande influência dos povos originários. Por isso, este prêmio tem um valor simbólico muito maior, porque ele significa a vitória deste encontro multidiverso que a Confederação representa ao se conectar com todo o segmento agrofamiliar, o que inclui os primeiros agricultores deste imenso território, os indígenas.

Ao receber a chave do carro, Júnior Xukuru, secretário Nacional para Assuntos Indígenas, reconheceu a importância da CONAFER, afirmando que “a região de Pernambuco agradece imensamente por esta instituição ter entrado em nossa vida, trazendo prosperidade e autonomia! Gratidão a todos os envolvidos, vamos juntos lutar para que com isso possamos levar essa autonomia para todos os povos e comunidades tradicionais.”

Tiago Lopes, secretário Geral e vice-presidente, ao entregar o prêmio, declarou: “tenho o prazer de representar nossa corporação, o nosso presidente nessa entrega, e mais uma vez honrando a missão desta gestão em cumprir todos os compromissos firmados, parabéns a todos do estado de Pernambuco que obteve êxito neste compromisso.”

O presidente Carlos Lopes reafirmou os valores da CONAFER e parabenizou os Xukuru: “cumprir independente do que prometemos será sempre a essência dessa família CONAFER! Parabéns ao povo do Pernambuco pela adesão, respeito e sempre prontidão.”

Povo Xucuru é exemplo de luta, resistência e organização

Considerado uma das maiores lideranças da construção da resistência dos povos originários do Brasil, Xicão Xucuru é o patrono dos povos indígenas de Pernambuco. Cacique Xicão foi assassinado a tiros em 20 de maio de 1998, aos 46 anos, em Pesqueira

Hoje, 20 de maio, é emblemático para publicar esta matéria, pois em 1998, aos 46 anos, foi assassinado o símbolo da luta dos povos originários no Estado de Pernambuco, o Cacique Xicão, morto a tiros em Pesqueira, por defender o direito à terra, à soberania e autonomia dos povos indígenas, e principalmente, por liderar as retomadas de territórios Xukuru com luta e coragem.

Recentemente, os Xukuru do Ororubá, no agreste de Pernambuco, obtiveram uma vitória histórica, quando o governo brasileiro depositou na conta da Associação Xukuru, que representa quase 12 mil pessoas de 24 aldeias, uma indenização de US$ 1 milhão. O povo Xukuru conquistou o direito a essa indenização por reparações históricas após condenação do governo brasileiro pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). Mas, principalmente, por sua capacidade de organização.

A indenização recebida pelo povo Xukuru foi aplicada para atender as famílias do território de 27,5 mil hectares com projetos e ações coletivas. Esta é mais uma razão para a CONAFER ter no povo Xukuru uma referência de luta por seus direitos e autonomia, e por isso apoiou a expressiva vitória do Cacique Marquinhos Xukuru na disputa eleitoral à prefeitura de Pesqueira.

Cacique Marquinhos, líder dos Xukuru concedeu entrevista à SECOM

Cacique Marquinhos, filho e herdeiro da luta do seu pai, Cacique Xicão, é líder do povo Xukuru há 20 anos, e atualmente busca o seu direito de ser empossado como prefeito definitivamente em ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A CONAFER se solidariza com o Cacique Marquinhos Xukuru, eleito não apenas pelos indígenas, mas por toda a população de Pesqueira. A homologação da eleição confirmará a mudança de perspectiva na política do município, com foco no desenvolvimento, no bem-estar da população e na participação coletiva.

Atualmente chefiando a Secretaria de Governo da prefeitura, Cacique Marquinhos trabalha no planejamento e elaboração das ações de Pesqueira para iniciar uma nova caminhada, muito mais próspera na história do município. Em entrevista ao editor de jornalismo da SECOM, Wilson Ribeiro, Marquinhos Xukuru falou de agricultura familiar, dos projetos para a cidade de Pesqueira e agradeceu a parceria com a CONAFER, e que já rende bons frutos ao povo Xukuru.

SECOM:
Como a atual gestão de Pesqueira tem atuado no segmento agrofamiliar.

Cacique Marquinhos:
Como tomamos posse há pouco tempo, estamos nos inteirando das questões, para atuar com a nossa Secretaria de Agricultura junto aos agricultores familiares. Já estamos dialogando com as associações e sindicatos para construir uma pauta coletiva, ouvindo a todos para ter um diagnóstico do setor, e assim buscar as ações de desenvolvimento com programas voltados aos pequenos produtores do município e região.

SECOM:
Qual o cenário do segmento da agricultura familiar da região, a sua organização e produção?

Cacique Marquinhos:
Nós temos muitos produtores de gado e uma grande área agricultável, é uma grande extensão rural em toda a região. A atividade econômica se distribui em 5 distritos de Pesqueira, muitos voltados à agricultura familiar, e outros com demanda de agropecuária extensiva. Estamos levantando os dados reais socioeconômicos das regiões produtivas nestes distritos, é fundamental ter este diagnóstico para saber da nossa capacidade produtiva.

SECOM:
Quais as principais culturas produzidas na região. Em relação à produção das aldeias Xucuru, como este conhecimento da agricultura pode coexistir com a modernidade que se exige hoje na produção agrícola.

Cacique Marquinhos:
Na região nós temos a bovinocultura, a produção de caprinos, ovinos, a fruticultura, uma produção que é comercializada no município e também para outras regiões do Estado, como Caruaru, Recife e na Ceasa.
Sobre a produção agrícola dos Xukuru, ela tem uma grande influência pela forma como olhamos para o nosso território, à existência do nosso povo, porque é um território para se morar, para a sobrevivência, não só para a soberania alimentar, mas também do ponto de vista físico, estrutural, religioso. Nós fortalecemos os arranjos produtivos por meio do respeito ao meio ambiente. Tudo sem perder de vista esta conectividade com o sagrado, com o território.

Nós temos equipes de agricultoras e agricultores familiares atuando dentro do território Xukuru, que busca desenvolver uma agricultura Xukuru, fortalecendo também estas relações com a ancestralidade. Pensamos no consumo e na comercialização. Produzimos a cenoura, o tomate, a beterraba, o milho, o feijão, a mandioca, as frutas, como a banana. Temos um trabalho de escoamento dos nossos produtos nas feiras e supermercados da região, em outras cidades do Estado, expondo e vendendo a nossa produção.

SECOM:
Quais as dificuldades dos agricultores da região, como a atual gestão irá enfrentá-las e quais as ações para obtenção de crédito rural?

Cacique Marquinhos:
A gestão anterior sucateou o município e a agricultura familiar não teve o olhar que precisava. Ela não tinha uma atenção especial, mas nesta gestão vamos mudar o enfoque e potencializar os arranjos produtivos, tanto para a soberania alimentar, mas também buscando uma rede de fortalecimento para aquecer a economia de Pesqueira. Por meio de uma parceria dos agricultores Xucuru com o Estado, por meio do IPA, o Instituto Agronômico de Pernambuco, teremos um acompanhamento dos agricultores e da atividade agrofamiliar. Em relação ao crédito, obtivemos uma abertura por parte do Banco do Nordeste para o Pronaf A, B, dependendo, claro, da avaliação, da renda de cada agricultor. Além de construir este alinhamento, temos estudado outras parcerias que fortaleçam a nossa potencialidade econômica.

SECOM:
Secretários e técnicos da Confederação estiveram em visita à cidade de Pesqueira há pouco tempo. A Associação de Pesqueira por seus resultados em números de filiações foi premiada com um carro. E agora Pesqueira terá um Espaço CONAFER. Como o senhor avalia esta parceria e quais as perspectivas para o futuro?

Cacique Marquinhos:
Estamos iniciando esta parceria com a CONAFER, o nosso presidente da Associação de Pesqueira, Guilherme Araújo, esteve em Brasília conhecendo os seus projetos e ações por todo o Brasil. Aqui em nosso território discutimos algumas questões e possíveis acordos de cooperação com a equipe da CONAFER por ocasião de uma visita recente. A premiação mostra uma melhor desenvoltura da nossa Associação neste cadastramento tão importante. Mas com a implementação do Espaço CONAFER vamos ampliar as ações em favor dos agricultores familiares do nosso território. São os primeiros passos nesta direção de consolidação das nossas relações. Em breve, estarei em Brasília para agradecer pessoalmente ao presidente Carlos Lopes e a todos da CONAFER.

Além de parabenizar a Associação de Pesqueira e os agricultores familiares associados, a CONAFER também agradece ao Cacique Marquinhos pelo empenho neste trabalho de união e colaboração entre a CONAFER e os Xukuru.

CONAFER está junto com Cacique Marquinhos e o povo Xukuru

O presidente do TSE, ministro Roberto Barroso, pediu vista do processo que tenta impugnar a eleição de Cacique Marquinhos, mas o julgamento segue e a Justiça Eleitoral tem uma oportunidade de impedir mais um ato de criminalização contra indígenas

A CONAFER reforça seu apoio e reconhecimento à expressiva vitória do Cacique Marquinhos Xukuru, na disputa eleitoral à prefeitura de Pesqueira-PE.

Líder do povo Xukuru há 20 anos, o cacique luta para ter respeitado o direito de ser empossado como prefeito. O motivo é que, mesmo com uma vitória incontestável nas urnas, obtendo 51,6% dos votos válidos, Marquinhos Xukuru teve a sua candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Pernambuco.

Foto: Guilherme Cavalli

O cacique recorreu então ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para fazer valer seus direitos. Entretanto, na madrugada da quarta-feira (16/12), o ministro Sérgio Banhos, relator do caso, negou recurso especial, recomendando a realização de eleição suplementar no município.

Logo após o voto de Banhos, o ministro Luís Roberto Barroso pediu vista, paralisando o processo. Mas o próprio Barroso, que atuou em defesa dos povos indígenas durante a pandemia, no âmbito do STF, votou com o relator. Restam o voto de 5 ministros, e o Cacique Marquinhos tem chances vivas de reverter mais uma ação de criminalização contra os povos originários.

Foto: Brasil 247

A CONAFER se solidariza com o Cacique Marquinhos Xukuru, eleito não apenas pelos indígenas, mas por toda a população de Pesqueira. Acreditamos que a homologação da eleição confirmará uma mudança de perspectiva na política do município, com foco no desenvolvimento, no bem-estar da população e na participação coletiva nas decisões e projetos do município.