CONAFER faz estreia na Band com campanha de 10 anos

da Redação

No último final de semana, a Confederação levou a sua marca para milhões de brasileiros ao exibir na TV Bandeirantes de Presidente Prudente, um comercial institucional e sua vinheta de patrocínio durante a programação da emissora, incluindo a Fórmula 1

Criada e desenvolvida pela sua Secretaria de Comunicação Nacional, a SECOM, em Curitiba, a campanha CONAFER 10 ANOS foi levada ao ar no mercado economicamente mais importante do país, a região do interior paulista, um lugar onde a CONAFER tem presença marcante por meio de sindicatos Safers e da Fafer paulista.

Comercial de 30” mostra a dimensão nacional da CONAFER

Com cenas de Norte a Sul do Brasil, o comercial percorre territórios do Baixo Tapajós no Pará, Querência do Norte no Paraná, Xingu no Mato Grosso, João Pessoa na Paraíba, Teodoro Sampaio em São Paulo, Floresta Amazônica na Reserva Extrativista Tapajós, Rio Amazonas, além das cidades de Brasília – DF, Curitiba e Rio de Janeiro. Ao final, a marca de 10 anos da CONAFER assina o comercial.

A locução que apresenta a Confederação para o público brasileiro:

“Eu sou a CONAFER. A Confederação Nacional dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais do Brasil. O meu nome é assim, bem grande, do tamanho do país por onde eu ando. Onde tem agricultura familiar, lá estou eu, levando autonomia, assistência e a força da sustentabilidade no campo. Tudo para cumprir uma missão: alimentar uma nação inteira.

CONAFER. Há 10 anos semeando o futuro.”

O comercial e a vinheta serão veiculados na programação de jornalismo da emissora, no programa AgroBand que vai ao ar sábados e domingos às 6h30 horas, e nas chamadas e corridas de Fórmula 1, como neste final de semana durante os treinos e a corrida do Grande Prêmio de Portugal.

A vinheta reúne 40 imagens de todos os tipos de produtos de agricultores familiares apoiados pela CONAFER num tempo de 5 segundos, passando todos em alta velocidade na tela, causando um belo efeito gráfico em movimento: pescados, legumes, frutas, verduras, ovos, grãos e bovinos.

Durante o ano passado, a CONAFER iniciou o seu plano de comunicação para apresentar os trabalhos da Confederação, os seus produtos e também para alavancar novas filiações ao Sistema Único, a sua plataforma digital. Além do sucesso das campanhas de rádio e de dezenas de milhares de novos seguidores em suas redes sociais, a Confederação inicia agora uma nova fase de consolidação do seu planejamento de comunicação.

Nas palavras do presidente da CONAFER, Carlos Lopes, “temos agora a nossa comunicação calçada por um veículo da grande mídia que fala com responsabilidade e tem o dinamismo, a inovação, como agora com as transmissões de Fórmula 1, o resgate da sua grande tradição em transmissões esportivas, e nós estamos juntos neste momento de expansão da emissora, e no mercado de São Paulo, o grande centro, a grande produção, a fonte das notícias que repercutem por todo o país, e que agora levam o patrocínio da marca CONAFER, a marca dos seus 10 anos”.

Presidente da CONAFER, Carlos Lopes, em entrevista à Televisão Bandeirantes de Presidente Prudente

Assista a vinheta e o comercial abaixo:

Plantando alimentos, colhendo saúde: sol previne o câncer de próstata

Se tem uma dica simples e efetiva contra o câncer e as outras doenças da próstata é esta: tome sol todos os dias, meu amigo. O sol, apesar de demonizado pelos dermatologistas é uma VITAMINA CONTRA O CÂNCER.


Você sabia que é pela exposição correta ao sol, na hora mais proibida pelos dermatologistas, que você garante no seu organismo o aporte de um hormônio essencial para centenas de reações químicas no nosso corpo, inclusive da próstata e até para que você tenha bons níveis de testosterona.

Este hormônio é conhecido como VITAMINA D.

A atividade anti-inflamatória da vitamina D, conseguida por meio de exposição ao sol ou via suplementação, é uma das explicações para esta substância estar associada a um menor risco de câncer de próstata – conforme a revisão de 26 estudos publicada no jornal da associação americana de saúde pública.


Quer tomar o sol que é vacina contra o câncer de próstata e também todos os outros cânceres? Dê uma volta no quarteirão de uns 15 minutos, todos os dias, entre as 10h e 15h horas — quanto mais perto do meio-dia, melhor — com o corpo 80% descoberto.
Pode colocar uma camiseta regata e um short mesmo. E, por apenas 15 minutos, e sem protetor solar que não há qualquer risco de câncer de pele. Pode acreditar.

STF, por favor, #NÃOINCENTIVEAGROTÓXICOS

da Redação

O plenário do Supremo Tribunal Federal decide nesta quarta-feira, 19/02, a inconstitucionalidade da isenção de impostos para o setor de agrotóxicos

Desde 1997 o agronegócio lucra muito no Brasil com a isenção de impostos. O Convênio 100 ICMS/1997 (https://www.confaz.fazenda.gov.br/legislacao/convenios/1997/CV100_97) possui dois artigos que reduzem em 60% a base de cálculo das alíquotas nas vendas interestaduais de agrotóxicos. E até 100% dentro do próprio Estado. Governo após governo, de direita ou de esquerda ou de centro, não importa o matiz, o lobby do setor do agronegócio tem sido mais decisivo que a própria Constituição, evitando que o agrobusiness pague os seus impostos como todo o restante dos setores da economia.

 
O resultado é que anualmente, estado e municípios deixam de arrecadar mais 10 bilhões para financiar obras e ações sociais. Nenhum Estado está em condições de abrir mão de valores tão importantes, principalmente enquanto setores muito mais vulneráveis da economia sofrem com o pagamento de ICMS. Os caminhoneiros, por exemplo, estão paralisados neste momento reivindicando uma diminuição da alíquota de ICMS sobre o diesel. Muito provavelmente como a maioria da população, a classe caminhoneira nem tem conhecimento desta aberração inconstitucional que permite que a indústria do agronegócio lucre em patamares tão elevados.
O absurdo deste Convênio é tão grande, que alguns tipos de agrotóxicos ainda têm isenção total do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Esta indústria bilionária, extremamente danosa ao meio ambiente, ainda é isenta de IPI e de contribuições para o PIS/Pasep, e pasmem, gastos com a compra de agrotóxicos podem ser 100% deduzidas do IR do mesmo jeito que gastos com saúde. Desde que o novo governo assumiu, já houve um recorde de liberação de 503 registros de agrotóxicos. Vamos ver até que ponto o STF vai se deixar contaminar por esta indústria tão nociva. Torcemos para que a Constituição seja respeitada pela instituição máxima da Justiça.
_

Tuíte a hashtag #NÃOINCENTIVEAGROTÓXICOS e contribua com essa campanha.