Projetos produtivos da CONAFER podem ser estratégia de iLPF, a integração Lavoura-Pecuária-Floresta

da Redação

O sistema iLPF é uma estratégia sustentável de produção e alternativa segura para diminuir os custos da propriedade; projetos como o ERA, o CONAFER nas Aldeias, o ELAS, o Replantar e o +Pecuária Brasil, podem ser utilizados em diferentes arranjos produtivos, agrícolas, pecuários e florestais dentro de uma mesma área

O sistema de integração iLP, Lavoura-Pecuária, consiste no levantamento de atividades agrícolas e pecuárias de forma integrada e na mesma área, mas em épocas diferentes. Isso aumenta a eficiência no uso dos recursos naturais e tem menor impacto sobre o meio-ambiente. A evolução do iLP, insere-se em um conceito mais amplo, o iLPF, o sistema de integração Lavoura-Pecuária-Floresta, e que busca a oferta variada de soluções tecnológicas.

Essa integração apresenta-se como estratégica para aumentar a produtividade da área e conservar os recursos naturais no processo de intensificação de uso de áreas já desmatadas. O sistema iLPF integra atividades agrícolas, pecuárias e florestais, realizadas na mesma área, em cultivo consorciado, em sucessão ou rotação. A produção do pasto e a obtenção dos derivados vindos da criação do gado encontram um equilíbrio com a inclusão do componente arbóreo, que se torna parte fundamental de todo esse processo integrador.

Para o incremento de tais áreas com a inserção do componente arbóreo buscam-se algumas características de uma boa espécie como: a necessidade da árvore realizar a fixação biológica de nitrogênio; o porte das árvores mais adequado em pastagens; a forma e densidade da copa, a regeneração e tolerância ao fogo; a qualidade do fuste; se a espécie apresenta raízes superficiais sob a copa; o potencial forrageiro e tóxico dos frutos e a velocidade de crescimento.

Portanto, o sistema Lavoura-Pecuária-Floresta se mostra muito importante para que estes sistemas apresentem sinergia e produção otimizadas. O objetivo é buscar efeitos positivos entre os componentes do agroecossistema, contemplando a adequação ambiental e a viabilidade econômica.

Um exemplo é a aplicação da integração Lavoura-Pecuária-Floresta no sistema de produção de leite. Com iLPF, há uma intensificação da ciclagem de nutrientes, aumento do bem-estar animal, maior conforto térmico, diminuição da ocorrência de doenças e plantas daninhas, redução do uso de agroquímicos para controle de insetos-pragas, doenças e plantas daninhas.

Programas de integração LPF na agricultura familiar

Arte Embrapa

Os sistemas de integração Lavoura-Pecuária-Floresta, privilegiam o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos hídricos. Os componentes têm um processo interativo que além de promover seu próprio desenvolvimento propiciam também o aparecimento e desenvolvimento de outras espécies, tanto animais quanto vegetais, em uma mesma área, sem esgotar os recursos naturais, como a água.

Não havendo a centralização da iLPF como o único sistema fornecedor de renda para a unidade familiar, há sim grandes chances de vir a suprir parte da renda dessa unidade. O uso de sistemas de forma integrada é incentivado como forma de ampliar as opções do agricultor familiar. Logo, em vez, de ter somente sistemas iLPF em sua área, o agricultor pode fazer uso de outros sistemas como os tanques de criação de peixes, do plantio de pomares solteiros, da criação de abelhas, espécies em consórcio, entre outros.

Juntos, estes sistemas podem dar o suporte financeiro que o agricultor precisa para um equilíbrio de suas contas em sua propriedade rural. Atualmente, cobram-se avanços na minimização de espaços, mas são esperados rendimentos cada vez maiores dos espaços em uso, como parte do aprimoramento do conceito da ocupação dos espaços marginais.

Existem técnicas que podem incentivar as boas práticas de manejo em áreas alteradas direcionando o manejo do pasto, da criação de gado junto à correta condução do componente arbóreo. Com a adoção de tais práticas de manejo o agricultor familiar pode obter produtos como grãos, fibras, madeira, carne, leite e agroenergia em uma mesma área. E, embora seja exigente em mão de obra e haja um aumento do custo de manutenção, as vantagens inerentes à implantação da iLPF compensariam o investimento, configurando-se em uma excelente alternativa para avanços em áreas alteradas, como a Amazônia.

Projetos da CONAFER são alternativa de integração Lavoura-Pecuária-Floresta

+Pecuária Brasil

Este programa é um salto de qualidade da pecuária agrofamiliar brasileira. A CONAFER, em parceria com a empresa líder da América Latina na tecnologia de inseminação artificial, a Alta Genetics, criou o programa + Pecuária Brasil para o desenvolvimento dos rebanhos bovinos de corte e leite em todo o país, contribuindo para crescimento socioeconômico dos agropecuaristas e deste importante segmento da agricultura familiar com a doação de mais de 200 mil doses de sêmens durante os próximos 4 anos aos pequenos produtores de todo o país.

O + Pecuária Brasil possibilita o uso de touros provados com acesso ao catálogo de raças da alta genetics, reduzindo as chances de doenças genéticas nos plantéis. Ele tem a garantia de um rebanho certificado, facilitando a comercialização e agregando valor ao produto final, elevando em diversas vezes a produção leiteira, a qualidade do gado de corte e a lucratividade do produtor.

A tecnologia da inseminação artificial atua no aumento de produção de arrobas por hectare, no tamanho da carcaça, na fertilidade, na eficiência alimentar, na resistência a doenças, em resumo: o melhoramento genético é a melhor ferramenta para responder à demanda por sustentabilidade ambiental. No mais positivo dos cenários, em relação ao desempenho, é possível ter o dobro de produção em metade das terras ocupadas hoje pela bovinocultura.

ERA, a Estação Empreendedora Rural Agroecológica

O projeto ERA cumpre inúmeras demandas: regularização fundiária, escrituração e titularização de terras; fortalecimento do crédito para produção; garantia do comércio com valor agregado; modernização dos processos produtivos; fortalecimento do agricultor como produtor agrícola.

O projeto oferece um leque de opções de culturas para o produtor implantá-lo em sua propriedade. A ideia é que o agricultor possa consorciar sua produção sempre com outra, animal ou vegetal, garantindo uma renda nos 12 meses do ano. A estação ERA trabalha com a capacitação da família produtora em três setores: produção agrícola e animal; mercado e empreendedorismo; e gestão de crédito.

Todo esse suporte é oferecido por meio de módulos de produção: Agrofloresta, Piscicultura, Leite Orgânico com criação de bovinos e ovinos, Apicultura, Centro de Capacitação, Culturas Vegetais e Estufa.

Conafer nas Aldeias e os módulos de produção

O projeto Conafer nas Aldeias é a união do módulos ERA aplicados em territórios dos povos originais, porém com a efetica contribuição dos saberes indígenas.

Módulo Agroflorestal

No módulo Agroflorestal iremos trabalhar com o SAF – Sistema Agroflorestal, Culturas Anuais e Sistema Silvipastoril, trazendo diversas espécies de culturas e trabalhando com espécies nativas do local, como o cacau. Mantendo assim a linha tênue da preservação do meio ambiente, protegendo os leitos de água, a conservação do solo e o sequestro de carbono.

Módulo Piscicultura

O rio corta a aldeia e as famílias se utilizam dessa água, porém, no período de seca há escassez severa de água. Para resolver essa situação, a proposta é construir uma barragem, para que a água fique represada e possa atender às famílias, e com o aumento do leito, fazer dois reservatórios para que a água possa ser usada para irrigação das áreas de produção.

Módulo Leite Orgânico com criação de bovinos e ovinos

Com assistência técnica contínua e a implantação de 2 hectares de Sistema Silvipastoril, a ideia é garantir a qualidade do rebanho e do manejo, bem como, a possibilidade de Certificação Orgânica, para que os indígenas aumentem sua receita com o leite.

Módulo Apicultura

As abelhas possuem um papel crucial na polinização das plantas, o manejo das colmeias respeitará a natureza das abelhas, seus ciclos biológicos e sua capacidade de produzir alimentos naturais e saudáveis, fonte de saúde para os consumidores. Apenas 30% da produção do apiário será destinado à comercialização, 70% fica na colmeia para sustento das abelhas. O objetivo é produzir mel puro, orgânico e em total harmonia com a natureza.

Módulo Centro de Capacitação

Capacitação para o desenvolvimento rural, nos aspectos ambientais, sociais, econômicos, antropológicos e agrícolas. Contando com uma sala com tecnologia em informática e apresentando 3 cursos inicialmente: Compostagem e Matéria Orgânica, Cooperativismo, Associativismo e Agroecologia, além de Manejo e Cultivo do Cacau.

Módulo Culturas Vegetais e Estufa

Para trabalhar no cultivo das ervas medicinais e a coleta de material genético da Mata Atlântica, e realizar a cura e secagem das ervas e a produção de fármacos, será construída uma estufa para estes processos.

Projeto ELAS

Um projeto voltado para o fortalecimento da mulher na agricultura e no empreendedorismo, levando um pensamento sustentável, com inovação, conhecimento e tecnologia por meio de módulos: Horta Orgânica, Cozinha Sustentável, Aproveitamento Integral de Alimentos, Da Horta à Academia, Saboaria Natural, Casa de Artesanato e Produção de Tilápias.

Projeto REPLANTAR

Um projeto criado para a integração de idosos e jovens nas atividades sustentáveis com o meio ambiente, reintegrando os idosos ao sistema produtivo agroecológico por meio do replantio de sistemas agroflorestais, integrando-se com as culturas da lavoura e pecuária que a propriedade já desenvolve.

Com informações do Portal Dia de Campo, fonte original desta matéria: www.diadecampo.com.br, conforme Lei Nº 9610 de direitos autorais.

A expansão da CONAFER: Centro Tecnológico de Capacitação Agrofamiliar chega em José de Freitas, no Piauí

da Redação


O Centro Tecnológico irá beneficiar os agricultores familiares de 224 municípios que necessitam de formação técnica para desenvolver projetos e aprimorar a produção


A CONAFER, Confederação Nacional dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais, deu início à construção do Centro Tecnológico de Capacitação Agrofamiliar, o CTCAF, em uma área de 10 hectares na cidade de José de Freitas, a 48km da capital piauiense, Teresina, o primeiro do Nordeste.

O projeto pioneiro foi concebido para suprir a demanda dos produtores nordestinos, que representam mais de 50% dos agricultores familiares do Brasil. São agricultores que em sua maioria não dispõem de conhecimentos técnicos e acesso aos créditos de fomento do Estado. Por exemplo, o Sul com 12% das propriedades acessa 50% do PRONAF, o contrário do que ocorre com os estados nordestinos.

“Hoje temos 22 sindicatos SAFER e os agricultores destes municípios sempre sonharam em ter um espaço voltado para a educação no campo e a CONAFER e a FAFER do Piauí inovam neste grande passo que irá contribuir para uma média de 35 mil famílias que estão sofrendo por falta de conhecimento rural”, compartilha o presidente da Federação dos Agricultores Familiares e Empreendedores Rurais do Piauí e coordenador da União Nacional Camponesa – UNC, Júlio César.

Município José de Fretas, a 48km de Teresina.

Ainda de acordo com coordenador da UNC, o objetivo do projeto é atender 224 municípios no estado do Piauí, “iremos criar um sisteminha da Embrapa, para criação de galinhas da canela preta”, compartilha umas das ideias que serão aplicadas pelo projeto.

A CONAFER têm desenvolvido diversos projetos que beneficiam diretamente os produtores brasileiros, sempre partindo da premissa de dar as condições necessárias para a autonomia dos agricultores familiares, que hoje produzem 70% dos alimentos consumidos no Brasil.

Com o Centro Tecnológico, a CONAFER irá oferecer cursos de qualificação profissional no ramo agroecológico e empreendedor. Com uma visão voltada ao crescimento sustentável e empreendedor da agricultura familiar.

Para a capacitação das famílias, serão oferecidos cursos de Produção Vegetal, Animal e Agroecológica, e o que é muito importante, Mercado e Empreendedorismo com Gestão de Crédito. Com o tempo, serão disponibilizados muitos outros cursos, como por exemplo, Manejo Produtivo na Piscicultura,  Nutrição e Manejo Alimentar, Suinocultura Conceito Geral, Silvicultura: Produção de Mudas e Manejo Produtivo, Cultivo de Cogumelos Comestíveis e Medicinais, Compostagem e Matéria Orgânica, Cooperativismo, Associativismo e Agroecologia.

Centro Tecnológico também faz parte do projeto ERA 

O Centro de Formação da CONAFER também irá levar o projeto ERA para ainda mais cidades do Nordeste.O projeto ERA, a Estação Empreendedora Rural Agroecológica, cumpre inúmeras demandas: regularização fundiária, escrituração e titularização de terras; fortalecimento do crédito para produção; garantia do comércio com valor agregado; modernização dos processos produtivos; fortalecimento do agricultor como produtor agrícola.

LEIA TAMBÉM: 

Mais uma conquista da CONAFER: projeto ERA chega em Itupiranga, no Pará

No Piauí, SAFER de José de Freitas investe na soberania alimentar com o premiado Sisteminha

O projeto oferece um leque de opções de culturas para o produtor implantá-lo em sua propriedade. A ideia é que o agricultor possa consorciar sua produção sempre com outra, animal ou vegetal, garantindo uma renda nos 12 meses do ano. A estação ERA trabalha com a capacitação da família produtora em três setores: produção agrícola e animal; mercado e empreendedorismo; e gestão de crédito. Todo esse suporte é oferecido por meio de módulos de produção: Agrofloresta, Piscicultura, Leite Orgânico com criação de bovinos e ovinos, Apicultura, Centro de Capacitação, Culturas Vegetais e Cultivo em Estufa.

Com o Centro Tecnológico de Capacitação Agrofamiliar e novos módulos do ERA pelo país, a CONAFER segue com a sua expansão e a missão de ajudar no desenvolvimento da agricultura familiar, o segmento econômico que mais emprega e mais produz na agricultura nacional.

NASCE O PROJETO ERA, UM NOVO TEMPO DA AGRICULTURA FAMILIAR

da Redação
 
Teodoro Sampaio, a 660 km da capital paulista, é o marco zero de uma nova era na agricultura familiar. Em entrevista para a SECOM, o Secretário da Agricultura e Empreendedorismo Rural da CONAFER, Paulo Henrique Souza, fala sobre o Projeto ERA, a Estação Empreendedora Rural Agroecológica, elaborado pela SAER, a Secretaria Nacional de Agricultura e Empreendedorismo Rural. O ERA nasceu para ajudar a cumprir diversas demandas: regularização fundiária, busca por escrituração e titularização de terras; fortalecimento do crédito para produção; garantia do comércio com valor agregado; modernização dos processos produtivos; valorização, fortalecimento e reconhecimento do agricultor como produtor agrícola. A implantação do programa faz parte de uma jornada de conquistas da CONAFER e representa uma vitória de todos os coordenadores regionais, diretores e secretários, especialmente Paulo Henrique Souza. Ele afirma que o “ERA veio para dar uma resposta ao agricultor familiar, assentados, pescadores, indígenas, quilombolas e outros povos tradicionais. O projeto surge para organizar e tornar viável a produção desse setor econômico.”
Redação CONAFER: Quais demandas o ERA vem cumprir e o que ele visa fortalecer?
Paulo Henrique: Identificando os desafios desse setor, percebemos que o problema maior do produtor era consolidar sua produção com a renda obtida pela comercialização de seus produtos. Muitos agricultores familiares não diversificam sua produção, acabam ficando presos às monoculturas, visto que o produto ou cultura trabalhada pode variar de região para região. O resultado desse conjunto era um déficit em sua receita anual. Analisando essa barreira, trazendo para a matemática da agricultura, nasce o ERA, com um leque de opções para o produtor escolher com o qual ele mais se identifica para implantar em sua propriedade. A ideia é que o agricultor possa consorciar sua produção sempre com outra, animal ou vegetal, garantindo uma renda nos 12 meses do ano.
RC: Como será realizada a avaliação do ERA e quais culturas terão benefício imediato?
PH: Nossos produtos sempre terão um valor mais agregado devido ao sistema de produção que iremos utilizar, o agroecológico/orgânico junto com os selos disponíveis como do SENAF (selo nacional da agricultura familiar) e o Selo ORGÂNICO de produção que traz mais confiabilidade e rastreabilidade ao consumidor. Alguns exemplos que teremos em nossa estação são: produção de leite, ovo, frango, peixe, cogumelo e culturas vegetais em ambiente controlado por estufas. Todo o processo é agroecológico e busca a sustentabilidade, como a utilização de cisternas para reservatório de água da chuva, com painéis solares para produção de energia para produzir uma agricultura de precisão, e assim isso reduzir o custo das produções. É importante lembrar que o ERA permite o acesso às carteiras de crédito oferecidas ao agricultor familiar.
RC: Quais as capacitações que o ERA vai fomentar?
PH: Outro ponto importante é que também iremos trabalhar com a capacitação da família produtora, trazendo três eixos de curso na qual ele poderá escolher: Produção Agrícola e Animal, Mercado e Empreendedorismo e Gestão de crédito. Todo esse suporte oferecido pela CONAFER busca fortalecer nossos empreendedores, uma força importante no desenvolvimento do país”, finalizou o Secretário.