Nova lista de produtos com descontos no Pronaf é válida até 9 de novembro

da Redação

A lista com os produtos e os estados contemplados têm validade de 10 de outubro a 9 de novembro de 2020

Com base em pesquisa de preços de mercado no mês de setembro, efetuada pela Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento, saiu a lista de produtos amparados pela Política de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar, a PGPAF, que dará direito a bônus do governo federal no mês de outubro/início de novembro, nas operações de crédito das instituições financeiras. 

Foto: Região dos Vales

A lista com os produtos e os estados contemplados tem validade de 10 de outubro a 9 de novembro de 2020, conforme publicado na Portaria nº 31, da Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Neste mês, serão contemplados 9 produtos: açaí, banana, borracha natural cultivada, castanha de caju, feijão caupi, laranja, mamona em baga, mel de abelha e raiz de mandioca. 

Com os descontos do Produtos, os produtos que registraram queda de preço de mercado terão descontos no momento de amortização ou liquidação do crédito.
Esta é a hora do pequeno produtor amenizar ou até mesmo recuperar perdas de produção.

Agricultores sem um produto principal, tem bônus na cesta de produtos

Foto: Jornal de Lins

Segundo o Mapa, Ministério da Agricultura, para os agricultores que têm operações de investimento sem um produto principal, que é a fonte de renda para pagamento do financiamento, há o bônus da cesta de produtos. Nesses casos, os descontos são calculados por meio de uma composição dos bônus do feijão, leite, mandioca e milho.

Os estados contemplados na listagem de outubro: 

Acre
Bahia
Ceará
Espírito Santo
Goiás
Mato Grosso do Sul
Maranhão
Paraíba
Pará
Paraná
Pernambuco
Piauí
Santa Catarina 
Tocantins

Até 9 de novembro serão contemplados 9 produtos:

Açaí
Banana
Borracha natural cultivada
Castanha de caju
Feijão caupi
Laranja
Mamona em baga
Mel de abelha
Raiz de mandioca

O bônus é concedido sempre que o valor de mercado de algum dos produtos da PGPAF (a política de garantia de preços) ficar abaixo do preço de garantia e deve ser utilizado como desconto para pagamento ou amortização de parcelas de financiamento no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, Pronaf.

Sai lista dos produtos com desconto no PRONAF até 9 de agosto

da Redação

A lista com os produtos e os estados contemplados tem validade de 10 de julho a 9 de agosto de 2020, conforme Portaria nº 23, da Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)

Com base em pesquisa de preços de mercado efetuada pela Companhia Nacional de Abastecimento no mês passado, a CONAB, foi publicada a lista de produtos amparados pela Política de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) com direito a bônus do governo federal no mês de julho nas operações de crédito pelas instituições financeiras.

Em julho serão contemplados 12 produtos: açaí, banana, borracha natural cultivada, cacau, castanha de caju, castanha-do-Brasil com casca, feijão caupi, leite de vaca, maracujá, mel de abelha, raiz de mandioca e tomate. Os produtos que registraram queda de preço de mercado terão descontos no momento de amortização ou liquidação do crédito.

Segundo o Mapa para os agricultores que têm operações de investimento sem um produto principal, que é a fonte de renda para pagamento do financiamento, há o bônus da cesta de produtos. Nesses casos, os descontos são calculados por meio de uma composição dos bônus do feijão, leite, mandioca e milho.

Os estados contemplados na lista deste mês são: Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina e Sergipe.

O bônus é concedido sempre que o valor de mercado de algum dos produtos da PGPAF ficar abaixo do preço de garantia e deve ser utilizado como desconto para pagamento ou amortização de parcelas de financiamento no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o PRONAF.

Veja aqui a lista dos produtos:

Confira aqui a portaria

capa: Suino

Governo publica produtos da agricultura familiar com desconto

FONTE: MAPA
As culturas incluídas asseguram amortização no momento de pagar crédito obtido junto ao Pronaf
Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou no Diário Oficial desta segunda-feira (8) a relação dos produtos e dos estados contemplados em junho pelo Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) com direito ao desconto a ser concedido a produtores nas operações de crédito junto às instituições financeiras. A relação prevista na Portaria 2.931 tem validade para o período de 10 de julho a 9 de agosto deste ano.
De acordo com a Coordenação Geral de Financiamento da Agricultura Familiar do Mapa, os produtos que tiveram queda no preço de mercado terão descontos no momento de amortização ou liquidação do crédito obtido junto ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O desconto concedido é correspondente à diferença entre o preço de mercado e o de garantia.
“O desconto é aplicado pelo banco que operou o Pronaf sobre o valor do pagamento para os produtos da lista, garantindo que os agricultores tenham assegurado, no mínimo, o custo de produção para garantir o pagamento”, explica o coordenador José Henrique da Silva.
Os produtos considerados com bônus são açaí, babaçu (amêndoa), café arábica, cana de açúcar, feijão caupi, leite de vaca, maracujá, mel de abelha, raiz de mandioca e trigo. Para os agricultores que têm operações de investimento sem um produto principal, há uma cesta. Nesses casos, os descontos são calculados por meio de uma média ponderada do feijão, leite, mandioca e milho.
Confira abaixo os produtos, estados e os bônus:

Os estados que integram a lista deste mês são Acre, Amazonas, Tocantins, Ceará, Maranhão, Piauí, Paraná, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Santa Catarina, Bahia, Rio Grande do Norte e Minas Gerais
Algumas das culturas terão bônus acima de 50%, como é o caso do feijão caupi para agricultores do Mato Grosso. O produto, que tem preço de garantia de R$ 147,97, a saca de 60 kg, teve o preço de mercado no último mês registrado em R$ 72,75/ 60 kg, o que representa queda de 50,83%.
Os descontos de todos os cultivos são calculados mensalmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgados pela Secretaria de Agricultura Familiar do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
A tabela com os produtos que têm desconto, os estados e o bônus é publicada mensalmente no DOU.

Cresce a demanda de produtos saudáveis no mercado internacional

FONTE: Segs

As superfoods têm se tornado cada vez mais populares fora do Brasil
Alguns alimentos contém propriedades com alto valor nutricional. Entre eles estão o óleo de coco, a chia e o açaí. O consumo dessas iguarias promove bem-estar, otimiza o metabolismo, possui antioxidantes e esses produtos estão, cada vez mais, presentes no cardápio dos estrangeiros. De acordo com um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa de Agricultura Orgânica, o mercado orgânico europeu cresceu dois dígitos e a área de plantação atingiu 13,5 milhões de hectares em 2016.
“Acreditamos que o consumidor global está cada vez mais preocupado com sua alimentação. Nos oferecemos qualidade de forma prática e saudável”, afirma Georgios Frangulis, CEO e fundador da OAKBERRY, fast food de alimentação saudável que tem como foco o açaí. A rede possui mais de 90 unidades espalhadas pelo Brasil, além de estar presente nos Estados Unidos e na Austrália. Em 2019 a empresa pretende expandir para países da América do Sul e Europa, considerados terrenos férteis para a área de alimentação saudável.
O mercado mundial de alimentos orgânicos e bebidas deve chegar a 320,5 bilhões de dólares até 2025, segundo um novo relatório da Grand View Research. O estudo também revela que os consumidores europeus gastam mais dinheiro com produtos saudáveis e orgânicos, o que reflete a mudança de hábitos da população e o quão importante é aumentar a inserção de estabelecimentos que supram esse consumo. “O açaí já é conhecido como um ‘super alimento’, cheio de benefícios, e diversos países estão abertos a experimentar tendências mundiais”, afirma Georgios.
Sobre a OAKBERRY
A OAKBERRY Açaí Bowls nasceu em 2016 para atender a um nicho de mercado ainda pouco explorado, o fast food de alimentação saudável. O portfólio da rede apresenta bowls e smoothies de açaí em três tamanhos – 350ml, 500ml e 700ml – como acompanhamento mais de 15 toppings e algumas opções extras – desde os mais básicos como banana, granola de castanha e mel até chia, whey protein, pasta de amendoim e paçoca sem açúcar. Atualmente a rede conta com unidades em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Rio Grande Sul, Paraná,Orlando, Miami e Austrália somando mais de 90 operações. Há planos de expansão para todas as regiões do Brasil e também para outras áreas do exterior. Com investimento inicial de R$300 mil, a rede faturou R$32 milhões em 2018, em 2019 o objetivo é que o faturamento fique próximo a R$90 milhões.

Fazenda que só produz orgânicos contrata apenas moradores de rua

FONTE: Razões Para Acreditar
Tem coisa melhor do que comer alimentos orgânicos produzidos por pessoas que só precisavam de um empurrãozinho para melhorar de vida? Pois é isso o que está acontecendo em Miami, nos Estados Unidos.
A organização Verde Community Farmers Market uniu-se a estabelecimentos locais para gerar empregos para a população em situação de rua em hortas orgânicas. Os alimentos produzidos são vendidos para restaurantes locais.
Com 22 acres, a fazenda, que costumava ser uma base militar até 1992, funciona há 8 anos e desde então beneficiou dez mil pessoas, sendo que a horta é a principal fonte de renda de 145 famílias.

Produtos orgânicos são o futuro, para essas pessoas também

A iniciativa é uma ótima oportunidade para os sem-teto aprenderem um ofício novo, pois a maioria não tem nenhuma experiência na área. Eles moram e trabalham na fazenda.
A Verde Community Farmers Market foi criada em 2008, mas só em 2014 recebeu o selo de plantação de orgânicos. A experiência da horta é compartilhada com pessoas que se interessam pelo tema e querem fazer uma visita.