+PECUÁRIA BRASIL: treinadores vão a campo em Roraima, Maranhão e Tocantins preparar as primeiras inseminações

da Redação

Depois de Roraima inaugurar o +Pecuária ao realizar o primeiro, e também histórico treinamento, entre 27 e 30 de julho de 2021, com os técnicos responsáveis pela implantação dos protocolos de IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo), a biotecnologia reprodutiva que utiliza hormônios para sincronizar e pré-determinar a inseminação, chegou a vez do Maranhão e Tocantins realizarem os seus treinamentos. Participaram os secretários de agricultura, técnicos e veterinários destes estados e municípios, todos acompanhando as explicações e orientações dos treinadores da ALTA GENETICS, que juntos dos técnicos da CONAFER, deram os primeiros passos na efetivação do programa para levar a tecnologia na ponta, diretamente aos produtores rurais, fundamental para o +Pecuária seguir avançando pelo país

A exemplo de Roraima, quando técnicos e diretores acompanharam as primeiras ações do +Pecuária junto com o secretário Aluízio Nascimento, da Seapa, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no Maranhão e Tocantins, também participaram do treinamento com representantes da ALTA GENETICS e da CONAFER, diretores e técnicos, além do secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca do Maranhão, Sérgio Delmiro, e no Tocantins, da gerente de Pecuária, Mara Luce Borges Leal. Todos sob a coordenação de Renato Telles, treinador da ALTA GENETICS.

Carlos Schumaker, coordenador técnico da CONAFER do +Pecuária para o Norte e Nordeste, falou sobre o andamento do programa e os primeiros treinamentos: “o programa está a todo vapor. Já fizemos treinamento em Roraima, Maranhão, Tocantins, estamos aguardando lançamento do Pará, e no Nordeste, muitos estados já assinaram. Na próxima semana, dia 3 de setembro, a gente já vai iniciar o protocolo numa propriedade, é dentro de uma comunidade indígena em Roraima, semana que vem já vai ocorrer a inseminação, e eu vou acompanhar o processo, então a gente vai dar o start.”

Carlos Schumaker, coordenador técnico da CONAFER do +Pecuária para o Norte e Nordeste.

Segundo Schumaker, “a ideia é ter uma equipe multidisciplinar, por isso contamos aqui na região Norte e Nordeste com 4 profissionais, três veterinários e uma zootecnista para dar suporte técnico, porque a gente tem percebido que o programa, além do benefício direto de melhorar geneticamente os rebanhos dos pequenos produtores, também auxilia na qualificação técnica deles, pois identificamos algumas carências técnicas e o nosso presidente determinou que a gente faça esse start e acompanhe, porque o sucesso do programa depende disso, e o programa é CONAFER, então a gente precisa ser muito assertivo.”

Ainda no entender de Schumaker, “existem as parcerias, porém a gente tem que liderar o processo. Então, quando a gente observa um gargalo, alguma coisa que pode atrasar o processo, a gente toma a frente, ajudando os técnicos do estado que vão fazer a execução. Mesmo que algumas dificuldades apareçam, é apenas com esteapoio e o treinamento da ALTA GENETICS que a gente vai dar o start nos processos.”

+PECUÁRIA BRASIL é o salto de qualidade da pecuária agrofamiliar brasileira

Em parceria com a líder mundial na tecnologia de inseminação artificial, a ALTA GENETICS, a CONAFER criou o programa + Pecuária Brasil para o desenvolvimento dos rebanhos bovinos de corte e leite em todo o país, contribuindo decisivamente para o crescimento socioeconômico dos pecuaristas agrofamiliares brasileiros.

O programa tem a duração de 4 anos para ocorrer o efetivo melhoramento genético. Neste período, a CONAFER fará a doação de sêmens aos pequenos pecuaristas de estados e municípios, atingindo milhares de produtores em todo o território nacional.

Para desenvolver o +Pecuária Brasil nos estados e municípios, os corpos técnicos da CONAFER e da ALTA GENETICS darão o treinamento de nivelamento dos técnicos das secretarias de forma presencial.

Às secretarias de estado e municípios caberá a definição de um corpo técnico para elaborar o plano de trabalho e implantar o +Pecuária Brasil por meio da seleção dos pecuaristas que tenham propriedades em boas condições sanitárias e nutricionais do rebanho.

Os benefícios do +Pecuária Brasil

+ Vantagens ao pecuarista

A reprodução é um dos fatores que mais afetam a produtividade e a lucratividade de um rebanho. Uma fazenda com bom desempenho reprodutivo consegue produzir mais, vender mais e gerar mais lucro.

Os produtores terão apoio técnico para o melhoramento genético do seu plantel por meio de inseminação artificial. Tudo sem custos durante 4 anos e com acompanhamento do gado inseminado neste período.

+ Qualidade no rebanho

As doses, insumos e logística são de responsabilidade da CONAFER. A alta qualidade dos sêmens tem a garantia da empresa ALTA GENETICS, referência internacional em genética bovina.

O programa trabalha com touros provados e acesso ao catálogo de raças da ALTA GENETICS, reduzindo as chances de doenças genéticas nos plantéis.

+ Lucro no negócio

Com a melhora dos índices de reprodutividade, eleva-se a produção leiteira, a qualidade do gado de corte e a lucratividade final do produtor.

A garantia de um rebanho certificado aumenta o valor do produto final, melhora a comercialização e cria perspectivas de futuro para o negócio.

+ Tecnologia na produção

A tecnologia da inseminação artificial atua no aumento de produção de arrobas por hectare, no tamanho da carcaça, na fertilidade, na eficiência alimentar, na resistência a doenças. Em resumo: o melhoramento genético diminui o custo e aumenta a produção.

Um software de Alta Gestão fará o gerenciamento da reprodução, melhorando a taxa de prenhez e os índices de reprodutividade. O sistema é online, e depois de alimentado com informações reprodutivas da fazenda, gera listas, gráficos e relatórios para tomadas de decisões de forma rápida e precisa.

+ Sustentabilidade no campo

O melhoramento genético é a melhor ferramenta para responder à demanda por sustentabilidade ambiental. No mais positivo dos cenários, em relação ao desempenho, é possível ter o dobro de produção em metade das terras ocupadas atualmente pela bovinocultura.

A produção sustentável garante mais lucros com menores custos, conserva os solos e os recursos hídricos, preserva a biodiversidade, possibilita o sequestro de carbono maior que a emissão de metano dos bovinos, além da pastagem com melhor qualidade nos períodos críticos do ano.

+ Desenvolvimento para estados e municípios

O programa integra-se às políticas públicas de estados e municípios. Por meio de um Acordo de Cooperação Técnica com a CONAFER, o governo estadual tem a oportunidade de fomentar o setor, melhorar as condições socioeconômicas dos pequenos produtores, gerar mais empregos, levar nova tecnologia ao campo e ampliar as receitas estaduais com o crescimento de toda a cadeia produtiva agropecuarista.

O +Pecuária Brasil é lançado com êxito no Maranhão

Nos dias 24 e 25 de junho de 2021, o Maranhão foi palco do lançamento de uma parceria histórica entre CONAFER, Alta Genetics e a Secretaria de Agricultura do Estado (SAGRIMA). Através de um Acordo de Cooperação Técnica, o +Pecuária chega às terras maranhenses para fortalecer o setor dos pequenos pecuaristas, melhorando geneticamente os animais e oferecendo assistência técnica aos produtores de rebanhos bovinos de corte e leite, assim favorecendo o produtor do campo com melhores condições para alavancar a renda e garantir produtos de qualidade. Pequenos agropecuaristas maranhenses esperam grande salto de qualidade no setor.

A Revolução Agropecuária Leiteira em Vila Nova dos Martírios 

Na quinta-feira, dia 24, o sol mal havia surgido no céu e a comitiva da CONAFER já estava saindo da cidade de Imperatriz rumo à Vila Nova dos Martírios, município onde aconteceria o primeiro dos lançamentos previstos para o estado. A comitiva era composta por Carlos Lopes, presidente da CONAFER, Alana Bezerra, chefe de gabinete da presidência, Amanda Soares, coordenadora do programa +Pecuária Brasil, Vinícius Ramos, presidente do Instituto Terra e Trabalho, Lucas Titon, secretário de comunicação da CONAFER, Márcio Delfino, gerente técnico da Alta Genetics e Carlos Vinícius, técnico-veterinário responsável pela coordenação das regiões norte e nordeste dentro do programa. 

Foram pouco mais de duas horas de viagem, passando por diversas plantações e pastagens, marcas de um estado que desenvolve a passos largos o seu setor produtivo agrofamiliar. Na entrada da cidade de quase 14 mil habitantes, representantes da SAGRIMA aguardavam a comitiva da CONAFER para que juntos fossem até a Fazenda Boa Vista, local escolhido para inauguração do programa na região. 

O lugar era bem grande, com produção de diversos animais como gado, porcos, galinhas e patos, além de belas plantações diversas. Os banners indicavam a magnitude do evento e a estrutura montada poderia facilmente comportar mais de 200 pessoas, mas por conta da pandemia da Covid-19, somente agricultores, pecuaristas e autoridades locais foram convidados, e aos poucos iam chegando para a grande inauguração, seguindo todos os protocolos de saúde. De longe era possível sentir o cheiro do churrasco de chão que estava sendo preparado para todos os participantes desfrutarem após as solenidades. 

O secretário de agricultura Sérgio Delmiro, junto de sua equipe, foi quem introduziu o presidente da CONAFER para todas as muitas autoridades presentes no lançamento, como o prefeito da cidade, Jorge Vieira; os secretários de agricultura Paulo da Madeira, de Vila Nova, e João Pedro, da Barra do Corda; diversos vereadores das cidades da região, como Cidelândia e São Francisco do Brejão; o presidente Raimundo Trajano, da principal cooperativa leiteira dos municípios, a COAFES; representantes de bancos, universidades e técnicos do programa Mais Assistência também estavam presentes. Menção especial ao Sr. Gerson, proprietário da Fazenda Boa Vista, que cedeu o espaço para sediar o evento. 

Leia também na Vila Nova

Depois de alguns momentos descontraídos de troca de experiências e boas conversas, o evento teve início, o apresentador chamou todos os que iam falar até o palco para que dirigissem algumas palavras ao público. 

O primeiro com a palavra foi Raimundo, presidente da COAFES, que agradeceu imensamente a ajuda do governo do estado para os trabalhos na região, em especial à SAGRIMA e ao fortalecimento da produção leiteira, uma das mais proeminentes de todo o estado do Maranhão. Logo após, João Pedro, o secretário de agricultura de Barra do Corda, representando o prefeito da cidade, reiterou a importância do programa +Pecuária Brasil para o estado, “nós estamos aqui nesse passo importante, em que o governo do estado, juntamente com os municípios e a iniciativa privada estão de braços juntos pra levar essa tecnologia inovadora até os nossos pequenos produtores, que sairão ganhando muito.”

Os vereadores Teté e Jardel, de Cidelândia e São Francisco do Brejão, respectivamente, também parabenizaram o governo do estado, a CONAFER e os municípios por essa grande parceria de beneficiamento genético para o rebanho leiteiro, cuja produção local tem grande destaque no estado. Além disso, também colocaram suas cidades à disposição para receber e aplicar o programa em uma escala menor. 

O Sr. Gerson, proprietário da fazenda, relembrou tempos antigos em que a dificuldade para produzir era enorme e o incentivo do poder público, mínimo. Por ter sentido na pele momentos de grandes empecilhos para melhoramento da produção, ele se emociona ao ver a seriedade e a competência da SAGRIMA e da CONAFER em estimular produções de maior qualidade, com maior valor agregado. 

Quando Carlos Vinicius pegou o microfone, ele enfatizou a importância da tecnologia dentro desse segmento e como é essencial sua disseminação para garantir melhores produções: “o Brasil hoje é o maior exportador de biotecnologia do mundo, e a gente fica um pouco triste porque essa tecnologia para muitos, acaba restrita para poucas pessoas. Nós acreditamos e queremos que essa tecnologia seja para todos.” Esse é um dos fatores que faz com que o +Pecuária Brasil tenha esse peso todo e essa ambição em ser o maior programa do gênero no país. 

Em seguida, o presidente da CONAFER, Carlos Lopes deu uma verdadeira aula sobre a produção agropecuária e como deveríamos trabalhar em parceria e coletividade, pois somos um segmento de produção, que alimenta o povo, e que deveria ter a melhor tecnologia e os melhores incentivos. “Não tem como fazer uma pecuária leiteira de lucro, que desenvolva, que sedimenta, se não fizer com as coisas corretas… pra trabalhar menos e ganhar mais, é com tecnologia. Nós trouxemos aqui como Confederação, a maior empresa do mundo em melhoramento genético, a Alta Genetics, ela atua em 91 países no mundo. Sabe pra que? Pra dizer pro Maranhão que nós trouxemos o de melhor, nós queremos o de melhor.”  Confira abaixo a fala completa do presidente. Após suas palavras de incentivo, o presidente Carlos Lopes foi ovacionado em pé, momento que ele aproveitou para anunciar a doação de 20 embriões de leite sexados para a região, para melhorar ainda mais a produção leiteira local. 

Márcio Delfino, representante da Alta Genetics, reforçou que a empresa está à disposição para trabalhar em prol do melhoramento dos rebanhos e do fortalecimento do setor, também, junto ao presidente Carlos Lopes, fez uma homenagem ao prefeito Jorge Vieira e ao secretário Sérgio Delmiro, entregando a eles a camiseta oficial do programa, um mascote de pelúcia do +Pecuária Brasil e um troféu de apoiador dos pequenos pecuaristas, que foram recebidos com grande honra pelos presenteados. 

O secretário da SAGRIMA, Sérgio Delmiro, agradeceu imensamente pelo reconhecimento de seu trabalho e falou um pouco sobre o lançamento do programa no estado, principalmente da parte de assistência técnica, parte do ACT pela qual a SAGRIMA ficou responsável. Sérgio contou aos presentes sobre o programa Mais Assistência, desenvolvido após muita luta, que serve para assessorar todas as cadeias produtivas no estado, em especial a de carne a do leite, que junto ao +Pecuária Brasil formam a parceria perfeita entre melhoramento genético e assistência rural, com técnicos capacitados em todo o estado. É através de ações assim que o estado do Maranhão vem cada vez mais se destacando como um grande produtor agropecuarista dentro do Brasil. 

Por fim, o prefeito Jorge Vieira também se pronunciou, primeiramente agradecendo pelos presentes e pela parceria tão frutífera que terá Vila Nova dos Martírios como localidade inicial de execução. Emocionado, ele contou que como filho de vaqueiro, aquele programa em sua cidade era uma conquista pessoal, que ele lutou muito para estar onde está, em uma posição de gestão onde ele possa estar trabalhando pelos produtores de sua região, e nas palavras dele “não é porque Vila Nova dos Martírios é um município pequeno de 14 mil habitantes, no rabo da gaita, na divisa com o Pará, que devemos pensar pequeno.” Nessa parceria da CONAFER com a SAGRIMA, nós pensamos grande e executaremos com igual grandeza. 

Após finalizadas as falas, todos puderam se deliciar com o churrasco de chão que estava atiçando o olfato e o paladar dos presentes. Em meio a risadas, garfadas, e conversas descontraídas, o prefeito Jorge Vieira, o presidente Carlos Lopes e o secretário Sérgio Delmiro fortaleceram ainda mais os laços entre eles e todos aqueles que eles representam, com promessas de trazer grande prosperidade para a região, a ser comprovada em um ano, quando retornarão para ver os resultados. 

Cidade de Zé Doca, referência nacional em rebanho de corte

Assista aqui ao vídeo

Depois de viajar quase nove horas, as comitivas da CONAFER e da SAGRIMA chegaram à cidade de Zé Doca no dia 25 de junho, sexta-feira. Logo após um almoço reforçado em um restaurante local, o grupo seguiu até a fazenda Fé em Deus Tirirical, onde os grandes banners do +Pecuária Brasil já estavam pendurados e mostrando o caminho. 

O local do evento era bem grande e as produções locais tinham um destaque a parte. A estrutura do evento foi muito bem montada, podendo comportar centenas de pessoas, mas levando em consideração os protocolos de saúde a capacidade foi reduzida. No palco, havia quase 30 cadeiras para comportar todas as diversas autoridades locais que vieram prestigiar o lançamento desse grande programa no município. 

Não passou muito tempo até que Carlos Lopes e Sérgio Delmiro conversassem com diversos vereadores, secretários municipais, prefeitos, contando detalhes do +Pecuária e traçando estratégias para expansão regional da iniciativa, visando sempre o fortalecimento do produtor, lá na ponta. Como a região acabou de receber um dos mais modernos matadouros do estado, o programa de melhoramento genético caiu como uma luva para o crescimento mútuo de ambos os projetos. Depois de um bom tempo de conversas e fortalecimento dos laços, o apresentador chamou a todos os presentes para prestigiar o início das solenidades. 

Todas as autoridades foram chamadas, uma a uma, para se sentarem nas cadeiras em cima do palco. Logo que todas as cadeiras foram preenchidas, os presentes cantaram o hino nacional e ouviram um sermão rápido do pastor, abençoando aquele evento. Vídeos institucionais da CONAFER, do +Pecuária Brasil e da Prefeitura de Zé Doca foram exibidos ao público, que aplaudiu em pé as ações desenvolvidas. 

O primeiro com a palavra foi o secretário de agricultura de Zé Doca, André Solteiro, que discorreu sobre a incrível parceria da CONAFER com a SAGRIMA, e como ele se sentia privilegiado que seu trabalho tivesse sido reconhecido a tal ponto da cidade ser escolhida para o lançamento do programa no que diz respeito ao melhoramento da cadeia de produção da carne, complementando com a atividade do recém-inaugurado matadouro. Ele agradeceu a todos os presentes e se prontificou a trabalhar muito para que o programa seja executado de forma exímia no município. 

Logo em seguida, Carlos Vinicius reafirmou o compromisso do programa com a biotecnologia, visando o melhoramento das produções, mas ressaltou que nenhuma tecnologia se mantém sem assistência técnica, e por isso é tão importante o programa Mais Assistência da SAGRIMA, que será a garantia da execução e funcionamento adequados do programa +Pecuária Brasil. 

A prefeita Cristiane Varão, da cidade de Bom Jardim, gestão parceira da prefeitura de Zé Doca, fez uma fala de muito agradecimento a todos os envolvidos, por estarem trabalhando em prol de um segmento produtivo tão importante para a região, além disso também colocou a cidade de Bom Jardim à disposição para futuras parcerias e assinaturas de ACT’s para fortalecer o setor agrofamiliar maranhense. 

“Esse programa vem para fixar a rentabilidade, o recurso, junto ao produtor rural”, foi com essa declaração que Márcio Delfino inicia sua fala para os presentes, reforçando sempre que o programa +Pecuária Brasil, em parceria com a empresa que ele representa, a Alta Genetics, só existe para que se possa trazer o melhor para o pequeno produtor rural, para que sua produção tenha mais valor e a rentabilidade do trabalho seja exponencial, trazendo mais lucro, mas utilizando o mesmo espaço já existente. 

Depois, quem tomou a palavra foi Simar, vereador de Zé Doca, representando todos os vereadores da cidade e das cidades vizinhas ali presentes. Ele agradeceu a Deus, à CONAFER, à SAGRIMA e à prefeitura por esse grande programa que está chegando ao município em prol dos pequenos pecuaristas, ele relembra que em governos anteriores o incentivo para o setor agrofamiliar era mínimo, mas que com muito esforço e luta, esse quadro está se revertendo.

Em seguida, o presidente Carlos Lopes fez uma belíssima fala, explicando em detalhes o programa e deixando bem claro que nem a CONAFER nem a SAGRIMA chegaram até ali para salvar a vida de ninguém, que não existia construir algo sem que fosse em coletividade, um trabalho de todos. “A mudança desse país se faz é com nós, que todo dia quando acorda resolve trabalhar, seja homem ou mulher, jovem ou ancião. Se não for assim, eu gostaria de fazer uma pergunta pra vocês aqui: O que nos trouxe aqui? O que fez o presidente da Confederação descer de Brasília e falar que trouxe a maior empresa do mundo de melhoramento genético, se não fosse ser parceiro nessa intenção, nesse compromisso, fazer 160 mil cabeças ter o valor per capita de 1 milhão de cabeças.” Ao finalizar, agradeceu a todos, em especial ao deputado Josimar do Maranhãozinho que foi o grande responsável por unir as pontas dessa parceria, e aproveitou para presentear a prefeita Josinha com o prêmio do +Pecuária Brasil de incentivo ao pequeno produtor. 

O secretário Sérgio Delmiro aproveitou o gancho do presidente Carlos Lopes e falou sobre o programa no estado e também anunciou que em breve uma nova iniciativa estará chegando ao estado, em parceria com a CONAFER, o Mais Agricultura Brasil, que está sendo construído junto aos técnicos do Mais Assistência para se implementado no estado. Também anunciou a todos que a CONAFER vai fazer a doação de embriões sexados para o município, ajudando ainda mais no melhoramento do rebanho de corte. 

Para finalizar o grande lançamento, a prefeita de Zé Doca, Josinha Cunha, pegou o microfone e agradeceu a todos os por escolher sua cidade como palco desse grande programa, que irá revolucionar a agropecuária maranhense. Ela reforçou o compromisso da gestão com os produtores, agricultores, pecuaristas e afirmou que em um ano fará uma grande exposição para mostrar os novos bezerros já melhorados geneticamente. Além de Vila Nova dos Martírios e Zé Doca, também serão contemplados os municípios de São Francisco do Brejão, Cidelândia, João Lisboa, Imperatriz, Açailândia, Amarante do Maranhão, Santa Luzia, Grajaú, Bom Jardim, Buriticupu e Barra do Corda. Os produtores terão apoio técnico e acompanhamento pela Sagrima e municípios; as doses, insumos e logística são de responsabilidade da CONAFER.

Os dois dias de lançamento só confirmaram o que todos os envolvidos já suspeitavam, que o +Pecuária Brasil é um sucesso gigantesco e que veio para transformar a vida dos pequenos produtores maranhenses. Que terão melhores rebanhos e lucratividade. O próximo ano será de muito trabalho, e quando os primeiros resultados forem surgindo, vamos mostrar ao Brasil todo a dimensão desse grande programa!

Leia também a notícia da Sagrima 

Leia também a notícia da Fundepec

Secretária do Maranhão percorreu regiões da agropecuária leiteira e de corte para levar o +Pecuária Brasil

A CONAFER recebeu em Brasília, Andreia Pereira Amorim, secretária de Estado Adjunta de Agricultura e Pecuária, e Rhafaela Aquino Rodrigues, superintendente de Políticas de Desenvolvimento Rural, do primeiro estado a fechar o Acordo de Cooperação Técnica do +Pecuária

O programa + Pecuária Brasil já é um sucesso em todo o país. Mas o primeiro estado a fechar o ACT com a CONAFER foi o Estado do Maranhão. Recentemente, a SECOM fez uma entrevista com Sérgio Belmiro, que comanda a SAGRIMA, a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca,oportunidade em que o secretário falou da satisfação e da importância da parceria para o setor agropecuarista do Estado.

E nesta terça-feira, 11 de maio, representantes do governo do Maranhão, estiveram presentes na CONAFER para falar dos trabalhos para a efetivação do +Pecuária. Andreia Pereira Amorim, secretária Adjunta de Agricultura e Pecuária, relatou a sua viagem por todo o Estado quando levou o projeto ao conhecimento dos agropecuaristas maranheneses.
Andreia Amorim, destaca “a oportunidade de mudar o cenário agropecuarista do Maranhão, levando tecnologia de melhoramento genético, e principalmente, um olhar do Estado para os seus pequenos pecuaristas. Mostramos que todos os agricultores são importantes, e que estamos ao lado deles, lá na propriedade rural, onde a realidade acontece”.

Por meio do +Pecuária, os produtores maranhenses terão apoio técnico e acompanhamento pela SAGRIMA para levar as doses de sêmens, insumos e logística de responsabilidade da CONAFER e ALTA GENETICS.
Os agropecuaristas familiares terão um produto de alta qualidade para a inseminação artificial dos seus rebanhos, com sêmens de touros provados e acesso ao catálogo de raças da ALTA BRASIL, reduzindo as chances de doenças genéticas nos plantéis.

Mais tecnologia, mais sustentabilidade, mais produtividade, muito mais lucro

O +Pecuária é a garantia de um rebanho certificado, facilitando a comercialização e agregando valor ao produto final, eleva em diversas vezes a produção leiteira, a qualidade do gado de corte e a lucratividade do produtor. A tecnologia da inseminação artificial atua no aumento de produção de arrobas por hectare, no tamanho da carcaça, na fertilidade, na eficiência alimentar, na resistência a doenças. Em resumo: o melhoramento genético diminui o custo e aumenta a produção.

O melhoramento genético é a melhor ferramenta para responder à demanda por sustentabilidade ambiental. No mais positivo dos cenários, em relação ao desempenho, é possível ter o dobro de produção em metade das terras ocupadas hoje pela bovinocultura.

+Pecuária é uma vitória para o Estado do Maranhão

O ACT firmado com o Maranhão, é resultado do desejo da CONAFER de levar tecnologia por meio do melhoramento genético aos agropecuaristas familiares de todo o país. A SAGRIMA e o seu corpo técnico desde o início do trabalhos vislumbrou o sucesso na efetivação do programa + Pecuária Brasil.

Concretizar esta valiosa parceria e a efetiva implantação do projeto, é para a CONAFER motivo de enorme alegria por estar ao lado de quem promove o crescimento socioeconômico de milhares de agricultores familiares maranhenses.

O programa +Pecuária Brasil

A CONAFER, em parceria com empresa líder mundial na tecnologia de inseminação artificial, a ALTA GENETICS, desenvolveu o programa + Pecuária Brasil para o desenvolvimento dos rebanhos bovinos de corte e leite dos agropecuaristas familiares brasileiros.
O +Pecuária Brasil é um divisor de águas no campo, e vai contribuir para o crescimento socioeconômico dos pecuaristas do segmento da agricultura familiar. Em parceria com as Secretarias de Agricultura e Agropecuária dos estados, a CONAFER fará a doação de centenas de milhares de doses de sêmens durante os próximos 4 anos em pequenas propriedades em todas as regiões do território nacional.

FAFERMA do Maranhão denuncia ausência de ações contra a pandemia em aldeias indígenas  

da Redação
Autoridades falam em medidas sanitárias, mas os recursos e materiais anti covid-19 não chegam aos territórios
Quando não são motosserras e máquinas invadindo os seus territórios, ou o assassinato dos seus líderes, é a negligência do estado a que os povos originários são submetidos historicamente, e de forma mais dramática, nesta pandemia.
No Brasil, até ontem, o índice de letalidade pela covid-19 entre os indígenas estava em 14,5%, enquanto o índice na população em geral era de 6,5%. Lamentavelmente, foram 446 casos confirmados nas comunidades indígenas e 110 mortes que retratam um quadro de extrema preocupação. Entre os quilombolas, já foram registrados 150 casos da doença e 26 óbitos. Mais uma prova da elevada letalidade de uma população esquecida pelo poder público. São números que reafirmam o descaso das instituições responsáveis pelos cuidados e pela proteção dos povos originários e comunidades tradicionais.
Érika Nogueira, presidente da FAFERMA e ativista pelos povos originários e comunidades tradicionais, fala da situação sanitária em Arame, do Território Indígena Arariboia, distante 449 km de São Luís: “o que vejo e tenho acompanhado é que há medidas de proteção e prevenção sendo esquecidas, e a Secretaria Nacional da Saúde Indígena tem que tomar logo uma ação emergencial antes que aumentem os casos de forma descontrolada.” Érika diz que recentemente foi mostrada em rede nacional uma declaração do coordenador do DSEI, MA, que não condiz com a realidade atual das aldeias do Estado, ao afirmar que as equipes de saúde estão frequentemente nas aldeias no controle de prevenção da covid-19. E o mais inacreditável é o chefe do órgão ainda afirmar que existe distribuição de máscaras e álcool em gel, quanto todos sabemos que isto não é verdade. O que chega ao meu conhecimento é que não está existindo essa distribuição propagada dos itens essenciais para a proteção nessa pandemia.”

Érika Nogueira, presidente da FAFERMA do Maranhão

Para aumentar a dificuldade já imposta pela ineficiência na entrega de itens contra a covid-19, sabemos que as equipes médicas pelo país trabalham sem a proteção devida, como ocorreu recentemente em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, município com a maior concentração de indígenas do Brasil e que já tem 219 casos confirmados. Conforme divulgou a imprensa, 30 profissionais de saúde levaram o vírus para dentro das aldeias em suas visitas de rotina feitas de barco. Se inexistem investimentos suficientes para testes rápidos e equipamentos de proteção aos médicos e enfermeiros, muito menos para os povos tradicionais, recorrentemente subjugados, o que é inadmissível para uma sociedade que se diz civilizada.
Na última sexta-feira, dia 22, foi aprovado no Congresso o Projeto de Lei 1142/2020 que determina que o governo federal cumpra com as suas obrigações nos territórios indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais, adotando medidas emergenciais, como o aumento do número de médicos disponíveis para o atendimento nas localidades, a ampliação do acesso a leitos de UTI, acesso a medicamentos e alimentos, além da restrição do acesso às aldeias por não indígenas. O PL 1142/20 determina a distribuição gratuita de materiais de higiene, limpeza e desinfecção nas aldeias e comunidades indígenas, direito a testes rápidos e RT-PCRs, além de medicamentos e equipamentos médicos adequados para o diagnóstico e o tratamento da covid-19. É importante acompanhar e pressionar a votação do Senado e a sanção presidencial para que se confirme a sua a sua aplicação imediata.
O fato, e o mais terrível, é que o tempo urge, e os riscos de uma tragédia anunciada aumentam cada vez mais. Para Érika Nogueira, “ o coronavírus pode entrar na aldeias de forma devastadora para os povos indígenas.” A presidente da FAFERMA, que vem do povo Tupinambá, finaliza com uma pergunta que muitos parentes querem resposta: “por que essa escala não pode ser alterada em favor e prevenção direta dos parentes indígenas?”

Agricultores familiares do Maranhão perdem acesso ao benefício do Bolsa Família

FONTE: G1

Estado tem o município com o maior número de cancelamentos. Mais de 56.600 famílias deixaram de receber o recurso em 2019 em todo o país.

Agricultores familiares de várias partes do país reclamam de problemas no Bolsa Família, benefício criado para garantir um complemento de renda para quem vive em situação de pobreza extrema.
Nos últimos meses, muitas famílias foram cortadas do programa, e não sabem o motivo. No Maranhão, quem perdeu o benefício vive uma espera angustiante para tê-lo de volta.
A dona Antônia cuida da casa com o marido e mais 5 filhos. Eles recebiam R$ 580 do Bolsa Família, mas o benefício foi cancelado em maio. Esta é uma das mais de 56.600 famílias que deixaram de ter o recurso no ano passado.
O município de Santa Rita, no norte do Maranhão, foi o que teve o maior número de cancelamentos do estado – foram 1.908, segundo a Prefeitura. A maioria pelo mesmo motivo: para averiguação, que é quando é feita a análise para ver se a família atende aos requisitos para participar do programa.
O Ministério da Cidadania, responsável pelo benefício, não quis dar entrevista ao Globo Rural. Em nota, afirmou que a entrada e a exclusão de pessoas no programa Bolsa Família atendem a critérios técnicos.
Saiba mais na reportagem completa no vídeo.

ERIKA NOGUEIRA, PRESIDENTE DA FAFERMA, FALA DO PROJETO SISTEMINHA PARA 500 FAMÍLIAS MARANHENSES

da Redação

Erika Nogueira, liderança importante dos povos Tupinambás e assessora parlamentar na Assembleia Legislativa do Maranhão, assumiu a presidência da FAFERMA para consolidar uma luta de mais de 20 anos em favor dos povos originários, dos pescadores ribeirinhos, quilombolas e dos pequenos agricultores familiares maranhenses.

Erika (de vermelho) junto com as mulheres da comunidade

Enquanto trabalha na constituição da FAFERMA e nas demandas da CONAFER, Erika Nogueira fala de um projeto que é a menina dos olhos da Federação neste momento: levar o Sisteminha para 500 famílias do Maranhão. O Sisteminha Embrapa – Sistema de Produção Integrada Alternativa de Alimentos -, projeto ganhador do Prêmio Innovagro 2014, da Rede de Gestão de Inovação do Setor Agroalimentício – Rede Innovagro, no México, que já existe em diversos Estados e em 7 países da África, foi criado pelo zootecnista Luiz Carlos Guilherme. “O doutor Luiz Guilherme fez o convite de introduzir o Sisteminha no Maranhão, e nós agradecemos pela oportunidade de levar tantos benefícios para o meu povo”, afirma Erika Nogueira.

A presidente da FAFERMA revela que nos 217 municípios do Estado, existem 183 colônias de pescadores. Erika explica que centenas de famílias serão beneficiadas pelo projeto que no primeiro momento cadastrou 200 famílias indígenas, e na sequência irá cadastrar outras 300 famílias de quilombolas e pescadores ribeirinhos.

Na Ficha de Cadastro existem as opções de módulos de acordo com os interesses de cada família: piscicultura, galinha de postura, frango de corte, codornas, compostagem, larva de moscas domésticas para iscas, minhocas, porquinho da índia (preá do reino, cuy), vegetais diversos (horta e frutíferas), suíno, aquaponia, cabra leiteira, biodigestor, carvão vegetal, ETA – Estação de Tratamento de Água Simplificada. É na promoção de todas estas culturas que o Maranhão pode aumentar a sua diversidade na produção de alimentos orgânicos e saudáveis.

O SISTEMINHA É UM PROJETO QUE VALORIZA O TRABALHO DAS MULHERES

Erika lembra que “o Projeto Sisteminha é importante para valorizar a mulher, pois entendemos que ela é o coração e a base de sua família. É ela que cuida da sua casa e do seu quintal, também é responsável principalmente pela alimentação, uma verdadeira guerreira do lar. Essa é a minha dedicação, minha luta é ver comida de qualidade na mesa dos que necessitam, quem me dá força para lutar são estas mulheres.”

Sobre a sua missão à frente da FAFERMA, Erika Nogueira diz ainda que o objetivo é avançar nas bases para levar adiante os projetos da CONAFER, e conclui: “precisamos nos reencontrar com nossas origens, nos conectar com nosso povo, com nossos rituais, com nossas danças, com nossas pinturas, resgatar a nossa identidade, pisar na terra, nos banhar em nossos rios, amar a nossa mãe natureza, conviver com os Povos das Florestas e com toda a sua magnitude do saber e de seus conhecimentos. Aí sim viveremos melhor.”

CODÓ: MPF propõe regularização das terras ocupadas por comunidades quilombolas

FONTE: Folha do Bico

O Ministério Público Federal (MPF) no Maranhão, por meio da Procuradoria da República no Município de Caxias (PRM/Caxias), propôs Ação Civil Pública de obrigação de fazer em face do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), para que haja a regularização fundiária por meio da delimitação, marcação e titulação das terras ocupadas pela comunidade quilombola Santa Maria dos Moreira, na zona rural do município de Codó (MA).

De acordo com a investigação, a comunidade foi invadida, em 2012, por pessoas armadas com o objetivo de derrubar a vegetação nativa do território, no entanto, o processo principal, que trata da regularização do território de várias comunidades quilombolas em Codó é antigo. Os conflitos agrários persistem há 30 anos na comunidade Santa Maria dos Moreiras.

Segundo o MPF, a demora na regularização pode acarretar prejuízos irreparáveis às comunidades quilombolas, comprometendo sua sobrevivência ante os conflitos armados que podem se instaurar na região, como já ocorreu.
Diante disso, o MPF requer que o Incra conclua, em até 180 dias, o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTDI), bem como conclua, em 18 meses, todo o processo de identificação, reconhecimento, delimitação, marcação e titulação das terras ocupadas pelas comunidades quilombolas no município de Codó, notadamente das terras ocupadas pela comunidade Santa Maria dos Moreiras.