O som que vem da Mãe Terra é do grito da floresta queimada, do lamento do mar poluído, da clemência que corre por seus rios turvos da lama dos minérios, da vibração das montanhas de gelo que derretem aquecidas por uma imensa estufa, do triste trinar do pássaro solitário, do rugido forte do leão ferido, do zunido da abelha sem colmeia, do choro da família que se contamina pelos vírus que alertam sobre a sua dor.
Seremos os algozes da nossa própria Mãe, e por consequência, da nossa existência?
Não, temos de protegê-la todos os dias, todas as horas, a cada minuto, com responsabilidade, atitudes conscientes e amor por este lar que nos fornece tudo o que precisamos para viver.
Cabe a nós, filhos conscientes, dar o exemplo e proteger nossa Mãe Terra, respeitando a vida que é gestada em seu seio, que vem da força do seu magnetismo e da leveza do ar que a envolve.

Homenagem da CONAFER pelo Dia da Terra.