da Redação

Pequenas propriedades de agricultores são responsáveis por 38% da produção de café no Brasil; a cafeicultura familiar emprega em torno de 1,8 milhão de pessoas

Aceita um café?
Esta é uma das perguntas que os brasileiros mais escutam diariamente. Em casa com a família, ao fazer uma visita, ao participar de uma reunião de trabalho ou após o almoço em um restaurante, o café está sempre lá, acompanhando as rotinas. Há quem beba para despertar e se manter ativo. Mas a grande maioria não dispensa o prazer do aroma e do sabor da bebida. O país é o maior produtor e exportador de café e segundo maior consumidor da bebida no mundo. São dados que mostram o quanto a atividade dos pequenos e médios produtores é estratégica para as demandas do mercado.

Nas pequenas produções de café, há o predomínio da agricultura de base familiar incluindo a força de trabalho, com produção em baixa escala e a contratação de trabalhadores assalariados no período da safra. Em regiões de elevada concentração de agricultores familiares, ocorre também a organização de mutirões para a colheita.

A segunda bebida mais consumida no mundo

Foto: Se Liga Na Chapada

De acordo com dados da Organização Internacional do Café, a OIC, o consumo mundial de café em 2019 foi de 165 milhões de sacas de 60kg, e a tendência é que este número aumente ainda mais com a demanda crescente pelo produto com alto valor agregado e 100% orgânico. 
Em relação às regiões que mais produzem café no mundo, a América do Sul, maior região produtora de café no mundo, foram 70 milhões de sacas. A Ásia tem no Vietnã um grande produtor com 20 milhões de sacas. Na América Central e México, o registro foi de 15 milhões de sacas. Na África, atingiu 12 milhões de sacas de 60kg, volume que aponta um aumento percentual até expressivo de 30% no período 2018-2019, objeto desta análise.

LEIA MAIS EM:

Feijão, o alimento mais brasileiro mostra a força da agricultura familiar

Milho, a força do grão que alimenta a economia da agricultura familiar

As práticas agroecológicas da agricultura familiar valorizam muito o produto e permitem variações na composição final com cafés diferenciados e reconhecidos em todo o mundo por sua qualidade e também pela sustentabilidade de produção. Por causa da diversidade de regiões ocupadas pela cultura do café, com variedade de climas, relevos, altitudes e latitudes, o país produz tipos variados de grãos. O que possibilita atender às diferentes demandas de paladar e preços dos consumidores brasileiros e estrangeiros.

Essa diversidade aumenta os lucros dos produtores, pois permite o desenvolvimento de vários blends (misturas de tipos), além de cafés aromáticos e especiais. As duas principais espécies plantadas são o arábica (ocupa 80% da área de plantio) e o conilon. Estudos mostram que não só os países desenvolvidos são os grandes consumidores de cafés especiais, como também os brasileiros têm se interessado cada vez mais por esses tipos de grãos. A diferenciação de produção, impulsionada pelas exigências do mercado externo, agrega valor ao produto final e traz novas oportunidades de negócios, tornando o mercado de cafés especiais muito promissor.

No mundo dos cafés, o grão arábica é definido como o mais apreciado, embora todos tenham seu valor produtivo e econômico. A bebida produzida a partir do grão arábica apresenta complexidade de aroma e sabor (doçura e acidez). Os cafés “gourmet”, por exemplo, só podem ser extraídos por meio dessas colheitas. Além de ser delicioso, o café consumido em moderação faz muito bem para a saúde e pode ser um importante aliado na prevenção a algumas doenças. 

Confira 11 benefícios do café comprovados cientificamente
1. Melhora o funcionamento do fígado
Pesquisas mostram que pessoas que bebem quatro xícaras de café por dia têm menos chance de contrair doenças do fígado.

2. O café faz muito bem para a cognição
Uma das principais substâncias contidas nos café, a cafeína, é um potente estimulante psicoativo. Ele age sobre o cérebro, gerando uma série de reações químicas que o fazem trabalhar mais rapidamente, melhorando o humor, a memória e o funcionamento cognitivo geral, isto é, o café melhora a inteligência.

3. Estimula o metabolismo
Uma das substâncias associada à queima de gordura, a cafeína, é encontrada em quase todos os suplementos para perda de peso. Estima-se que beber café estimule o funcionamento do metabolismo em cerca de 11%.

4. Possui nutrientes importantes
O café é uma importante fonte de antioxidantes. Ele também contém uma série de nutrientes, como vitaminas B2, B3, B5 e manganês, magnésio e potássio.

5. Café reduz o risco de diabetes tipo 2
Algumas pesquisas mostram que o consumo diário de café reduz o risco de diabetes.

6. Reduz o risco de Parkinson
O Mal de Parkinson está associado à queda dos níveis de dopamina no organismo. A cafeína tem o efeito de aumentar a dopamina no cérebro, diminuindo a possibilidade de desenvolver a doença.

7. Beber café combate a depressão
A dopamina não previne só o Mal de Parkinson. Ela também é muito conhecida como a “substância do prazer” e é capaz de diminuir a ocorrência de depressão.

8. Reduz o risco de câncer
O café reduz ainda a ocorrência de câncer de intestino, além de prevenir o risco de câncer de pele – particularmente em mulheres.

9. Previne derrame e doenças cardíacas
Quem bebe café regularmente tem menos risco de derrame e apresenta taxas mais baixas de doenças cardíacas.

10. Café ajuda na limpeza do organismo
O café é um ótimo diurético. O corpo humano elimina bactérias e vírus prejudiciais por meio da urina, e beber café aumenta este processo natural.

11. Reduz demência e Mal de Alzheimer
Café geralmente melhora a memória, graças aos efeitos da cafeína sobre neurotransmissores no cérebro. Pessoas que bebem café regularmente têm mostrado menos risco de desenvolver doenças neurodegenerativas.

Responsável por um terço da produção mundial de café, o Brasil é o maior produtor mundial há mais de 150 anos. A cafeicultura brasileira é uma das mais exigentes do mundo, em relação às questões sócio-ambientais, e há uma preocupação em se garantir a produção de um café de qualidade sob rígidas legislações trabalhistas e ambientais. São leis que respeitam a biodiversidade e punem o trabalho escravo nas lavouras. As leis brasileiras estão entre as mais rigorosas entre os países produtores de café. Ser o maior produtor do mundo é uma grande responsabilidade que só aumenta o compromisso de produzir a cada dia o café mais saboroso do planeta.

Então, aceita um cafezinho?

Foto: Rural Pecuária

Capa: DSV