7 de dezembro é o dia da conscientização sobre a importância de cultivar árvores, e a partir delas cultivar florestas. A silvicultura estuda os métodos para restaurar os passivos ambientais, auxilia na recuperação das espécies em extinção e atua no equilíbrio dos ciclos de renovação vegetal. Apenas 1% do território brasileiro tem florestas plantadas, aproximadamente 10 milhões de hectares. Esta área equivale a um estoque de 1,88 bilhão de toneladas de gás carbônico (CO2). Se pensarmos que cada crédito de carbono certifica que 1 (uma) tonelada deixou de ser emitida na atmosfera, sendo negociado no mercado voluntário entre US$ 10 a US$ 12 cada, teremos uma dimensão do valor econômico da sustentabilidade. É também por conta disso que a silvicultura é fundamental hoje nos meios rurais e urbanos. Por meio dela, são gerados ativos ambientais, preservando as matas nativas e toda a biodiversidade florestal. A Conafer investe na silvicultura dos agrofamiliares. Um exemplo é o Acordo de Cooperação entre a CONAFER e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no engajamento para regularização ambiental das propriedades, envolvendo a implantação da recuperação de florestas e de tecnologias agroecológicas

A economia agroflorestal gera altos índices de produção, ao mesmo tempo em que trabalha pela preservação do planeta. Na indústria, a silvicultura aumenta a homogeneidade dos produtos, o que torna as máquinas mais adequadas, e favorece o combate às pragas que causam prejuízo na produção. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1990 até 2000 se alcançou 44% de aumento das florestas plantadas, número que só tende a crescer ao longo dos anos.

Agricultura familiar e os sistemas agroflorestais

As culturas destinadas à produção de alimentos não estão limitadas a áreas que precisam ser preparadas. O aproveitamento de áreas florestadas é uma solução econômica e ecologicamente viável, desde que bem planejada. Uma das soluções para que haja uma possibilidade de aproveitamento destas áreas é o manejo direcionado, com plantios de enriquecimento, e a introdução de espécies de valor econômico, visando a formação de um sistema diversificado de produção. Uma das técnicas da silvicultura mais conhecidas é a dos sistemas agroflorestais, que são caracterizados pelo consórcio entre espécies agrícolas e espécies florestais, além de animais, implantados de acordo com os objetivos do produtor, susceptíveis a alterações e/ou introdução de outros componentes ao longo do tempo, tendo como prioridade a produção de alimentos ou outros produtos de valor econômico.

Foto: Igui Ecologia

Todo sistema agroflorestal pode ser planejado para ser ecologicamente eficiente, superando os sistemas agrícolas de monocultivo, tantos em termos ecológicos quanto econômicos. Mas é importante e necessária a ampliação do quadro de assistência técnica que irá direcionar o produtor no estabelecimento e manejo. As espécies a serem utilizadas num sistema agroflorestal, ou mesmo em programas de enriquecimento em áreas de capoeira, devem ser selecionadas de acordo com suas características ecológicas e devem também apresentar viabilidade econômica ao agricultor. Sobre a silvicultura brasileira e sua importância para a economia e para a sustentabilidade, de janeiro a outubro de 2021, os produtos florestais foram responsáveis por 11% das exportações brasileiras, totalizando uma receita cambial de US$ 11,3 bilhões. Segundo IBGE, 76% da produção total de florestas no país é destinada ao eucalipto e 20% ao pinus, garantindo as maiores taxas de produtividade de florestas plantadas do mundo, sendo 39 metros cúbicos de hectare para eucalipto e 31 m /ha para pinus.

A CONAFER e a geração de ativos ambientais

Recentemente, a Confederação selou um Acordo de Cooperação com o Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para apoio no engajamento na regularização ambiental das propriedades agrofamiliares, envolvendo a implantação da recuperação de florestas e de tecnologias agroecológicas, conforme as diversas ações do plano de trabalho. O SFB tem a missão de promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando esta agenda estratégica para a economia do país. E a CONAFER tem nas suas bases uma extensa ligação com os agricultores em todos os biomas brasileiros, podendo dar suporte nesta conexão entre os agrofamiliares e o Serviço Florestal, fortalecendo o caráter socioambiental do programa.

A recomposição florestal do Brasil é fundamental na proteção dos ecossistemas nacionais, e depende do sucesso no uso sustentável de recursos naturais. Este processo necessita de inúmeras tecnologias a serem aplicadas para a implantação de um plano de manejo adequado, criando sistemas produtivos funcionais para a geração de emprego e renda, e ao mesmo tempo buscando a redução dos passivos ambientais, mantendo a sobrevivência e a sustentabilidade no meio rural. Ao atuar na regularização da terra, no empreendedorismo do pequeno agricultor e implantar modelos agroecológicos no campo, a CONAFER contribui de forma decisiva para ampliar o sistema florestal brasileiro, reforçando o modelo de produção agroecológica da agricultura familiar e fortalecendo a proteção ao meio ambiente.

Compartilhe:

Assine a nossa newsletter
Fique por dentro de tudo que acontece aqui.